“Não é fácil vender comida crua”, admite Bernardo Cabral, justificando assim o fim do seu primeiro projeto na área da restauração, o Cruzzeria, um restaurante no Cais do Sodré muito virado para o raw food. “Ainda lhe juntamos as pizzas, mas não foi suficiente”.

Mas não desanime, que Bernardo não se deixou ficar. Em duas semanas, mudou o menu, criou novos pratos, reduziu a equipa e criou um novo conceito: um restaurante que divide o menu entre comida vegan e pizzas com direito a tudo, até a ovos com farinheira.

We Create Food

Mostrar Esconder

Morada: Calçada do Ferragial, 9, Lisboa
Horário: 12h-15, 19h-23h (fecha sábado e domingo)

A estratégia para a criação do agora We Create Food — que ocupa o mesmo espaço do antigo Cruzzeria — foi a adaptação ao tipo de clientes que por lá passa e àquilo que eles mais pedem. “Somos muito procurados por turistas e era raro o dia em que não aparecesse alguém a pedir opções vegan”, conta à MAGG o empresário de 33 anos.

Pizzas cor-de-rosa, com cinco queijos ou de chilli com carne. As 10 pizzas mais originais de Lisboa e Porto

Decidiu, assim, criar um menu só de comida de origem vegetal, à qual se anexa um com as famosas pizzas que ajudaram a tornar a casa conhecida. Mas, mesmo aí, há novidades.

As opções que saem do forno a lenha instalado na cozinha totalmente aberta ao público são oito: a clássica Marguerita (7,50€); a Diavola, com chouriço picante (9€); a de chourição e gorgonzola (9,40€); a de figos e presunto (10,50€), a de presunto e brie (10,90€); a de cogumelos (8€), a de ovos e farinheira (10,50€) e uma vegetariana, com queijo, beringela, curgete, azeitonas e cogumelos (10,50€).

13 fotos

Já na carta vegetariana — que tem o título de create.green — há baos vegetarianos (5,50€), caril de legumes (10,50€), salada de lentilhas e quinoa (8,50€), strogonoff de cogumelos (7,50€) e vegetais à Brás (7,50€).

E se esteve atento até aqui, percebeu que os preços, ainda que estejamos numa das zonas mais concorridas da cidade, são abaixo da média. “Reduzimos a equipa, fizemos um menu mais pequeno e dispensamos o serviço de mesa. Aqui, todos os custos vão para a cozinha. É pela comida que queremos surpreender o cliente”, explica Bernardo.

É por isso que, ainda que tenha que fazer pré-pagamento a lembrar o serviço de restauração de centro comercial, conte com comida de chef servida num espaço que, ainda que seja pensado para take-away, convida a ficar.

No futuro, Bernardo espera levar o conceito a outras zonas da cidade, até porque o nome não foi dado ao acaso. “Aqui temos o create.green e o create.pizza, o que não invalida que, em pouco tempo, não tenhamos também o create.fish ou o create.Portugal, só com pratos típicos”, esclarece. Mas, para já, é no Cais do Sodré que pode sentar à mesa o vegan que pede uns vegetais à Brás e aquele que, sem medos, se atira a uma mistura de massa de pizza com topping de ovos e farinheira.