Depois de terem surgido notícias a dar conta do descobrimento de fósseis de uma ave que teria aproximadamente um metro de altura, que viveu na região da Oceânia há 19 milhões de anos, agora foram encontrados mais fósseis gigantes, desta feita de um pinguim, na Nova Zelândia.

De acordo com uma investigação publicada no jornal cientifico “Alcheringa: An Australasian Journal of Palaeontology”, o animal pertencia à espécie Spheniscidae e tinha a altura de um ser humano. Os cientistas conseguiram calcular a altura e peso do pinguim gigante através dos ossos das pernas deste, descobertos no decorrer da investigação.

E os números não mentem: segundo os dados divulgados pela equipa de paleontólogos, o animal teria cerca de 1,60 centímetros de altura, pesaria algo entre os 70 quilos e os 80, e terá vivido há mais de 55 milhões de anos.

As deformações dos animais que vivem na zona de exclusão de Chernobyl

“Os fósseis descobertos conseguiram clarificar bastante o nosso entendimento acerca da evolução dos pinguins”, afirmou Gerald Mayr, um ornitólogo do Museu de História Natural de Senckenberg, na Alemanha.

Estes dados também vieram reforçar a teoria de que os pinguins cresceram bastante ao longo da história, apenas para voltarem a diminuir de tamanho com o passar dos anos, diminuição essa que é relacionada com o aumento dos animas marinhos como baleias e focas, por exemplo.

A competir pelos mesmos recursos naturais, pensa-se que os pinguins começaram a ter acesso a menos alimento e, assim, diminuíram de tamanho.