Compramos um milhão de garrafas de plástico por minuto, objeto que representa 275 milhões de toneladas deste material desperdiçado em todo o mundo.

As soluções para reverter este problema surgem em todo o lado e, em Roma, a ideia é incentivar à reciclagem através de incentivos à população. Nesse sentido, o plástico passa a valer descontos no metro da cidade. É essa a nova opção que acaba de ser introduzida na capital italiana, em que os cidadãos podem pagar menos 0,05€ no valor de uma viagem, por cada garrafa que reciclam.

A medida está a ser testada em três estações de metro de Roma, que têm máquinas especiais que compactam as garrafas e adicionam o crédito à aplicação de viagem de metro. Surge na sequência de uma emergência relacionada com o desperdício — o que se traduz em grandes quantidades de lixo na rua — depois de um grande aterro e de duas estações de tratamento da cidade terem sido fechadas.

Viver sem plástico é possível e nós dizemos-lhe como

A utilização de garrafas de água de plástico em Itália é maior do que em qualquer outro país europeu, diz a “World Economic Forum“, que adianta que média é de 188 litros por pessoa.

A medida adotada em Itália já foi lançada em Pequim, em 2014. Mas não é só no metro que o plástico funciona com uma espécie moeda de troca: em Surabaya, na Indonésia, é possível pagar viagens de autocarro com copos e garrafas fabricados neste material — uma viagem tem o custo de dez copos ou de cinco garrafas. E, em Pamohi, em Assam, há uma escola que está a pedir aos pais que paguem as taxas escolares dos filhos com resíduos de plástico.

Noutros países europeus, como o Reino Unido ou a Alemanha, os supermercados instalaram máquinas que emitem vouchers para cada garrafa de plástico lá depositada. Em Leeds, em Inglaterra, os motoristas podem pagar taxas de estacionamento com o mesmo produto, sendo que cada uma vale 0,2 libras (0,22€).

Em 2018, o governo português anunciou um sistema de incentivos para a reciclagem do plástico não reutilizável, que, tal como já acontece noutros locais, irá incluir unidades de recolha em pontos de venda onde haja muito plástico, como os supermercados.

As regras, que foram publicadas a 3 de junho no Diário da Republica, adiantam que, além da conversão em senhas para compras no estabelecimentos em questão, a devolução de garrafas poderá equivaler também a descontos em lojas, atividades ou serviços, assim como a participações em sorteios ou donativos para instituições de solidariedade. O valor concreto dos prémios ainda é desconhecido.

Garrafas de água, de sumo, refrigerantes ou bebidas alcoólicas serão as aceites, desde que sejam de plástico tipo PET (politereftalano de etileno) e tenham capacidade entre 0,1 e 2 litros. Embalagens de iogurtes líquidos ou de leite ficam de fora, tal como as que foram adquiridas antes da implementação do programa. A medida deverá entrar em vigor já em dezembro.