Influenciadora digital para de aceitar produtos grátis

A canadiana de 26 anos tomou esta decisão para lutar contra o desperdício e voltar a concentrar-se nas coisas que queria de facto comunicar.

Samantha Ravndahl sentia-se pressionada a produzir sempre os mesmos conteúdos, de forma a dar retorno às marcas

SAMANTHA RAVNDAHL / Instagram

Em Portugal, o nome Samantha Ravndahl pode não ser muito conhecido (exceto talvez para quem siga afincadamente o mundo das youtubers internacionais de beleza). Mas no Canadá, de onde esta influenciadora digital e maquilhadora é natural, o cenário é bem diferente — Samantha tem mais de dois milhões de seguidores no Instagram, bem como cerca de 960 mil subscritores no canal de YouTube.

No entanto, não são os seguidores que fazem desta canadiana de 26 anos digna de notícia, mas sim uma atitude pouco comum no meio dos influenciadores digitais, principalmente naqueles que trabalham com o universo da beleza e lifestyle. Em novembro de 2018, Samantha Ravndahl parou de aceitar ofertas das marcas, e transmitiu a sua decisão às mesmas.

Vamos a um contexto inicial: salvo raras exceções, as marcas não enviam produtos para os influenciadores, bloggers e afins por pura boa vontade. Afinal, “não há almoços grátis”. Quando uma marca envia algo para um destes profissionais, existe sempre uma intenção de que a pessoa mencione o produto nas suas plataformas de alguma forma.

Fora as alturas em que essa divulgação é paga (e aí deve existir essa indicação para o público), algumas marcas aguardam pela divulgação de uma forma discreta, acreditando que se o produto for do agrado do influenciador este o irá mencionar. Já outras acabam por ser mais insistentes e quase que exigem uma troca direta — produto por divulgação.

Mas na grande maioria das vezes, e no que diz respeito a influenciadores ou bloggers com presença no mercado, 90% destes produtos não são pedidos, sendo uma decisão das marcas enviá-los. O problema? Principalmente no que diz respeito ao mundo da beleza e do lifestyle, existem novos lançamentos quase todas as semanas, o que corresponde a uma quantidade abismal de produtos. E foi exatamente isso que levou Samantha Ravndahl ao limite.

De acordo com o site “The Cut”, a influenciadora canadiana recebia cerca de 30 a 40 novos produtos todos os meses, e deu por si numa posição de repetição constante nos conteúdos que produzia.

A influenciadora parou de aceitar ofertas em novembro de 2018. Nove meses depois, continua confiante de que tomou a decisão certa

SAMANTHA RAVNDAHL / Instagram

“De cada vez que uma marca me enviava um lançamento, pensava: ‘Bem, já que aqui está, mais vale fazer uma review’. Mas esses não eram os conteúdos que eu queria fazer. Mais importante do que isso, eu não queria que me dissessem que devia comprar algo novo, quando ainda na semana anterior me tinham dito que devia comprar um produto muito semelhante. Isso não é realista, e não é a forma como as pessoas adquirem maquilhagem. Não é, de certeza, a forma como o faço. E estava a bloquear o meu talento para criar coisas novas”, afirmou Samantha Ravndahl à mesma publicação.

O desperdício e o lixo que todos estes envios criaram também estavam a incomodar a canadiana. “Eu vivo numa casa de oito pessoas, e o lixo que eu criava era mais do que o das outras sete pessoas juntas”, afirmou a influenciadora que, em novembro do ano passado, publicou um vídeo onde explicou como chegou à decisão de deixar de aceitar ofertas, e também revelou que já tinha informado as marcas e agências de comunicação desta mudança.

No mesmo vídeo, Samantha Ravndahl revelou que, nos últimos anos, tinha recebido um robô de cozinha, um aspirador, três máquinas de café, vários shakers para fazer cocktails, cestos de piquenique, comprimidos para dormir, mochilas de plástico e até uma mochila gigantesca a imitar as dos astronautas com uma só máscara de pestanas. Tudo isto para além das centenas de produtos de maquilhagem.

“A quantidade de caixas e embalagens que tudo isto tinha era incrível. Cheguei a receber um produto que vinha numa caixa, dentro de outra caixa, que ainda estava dentro de uma caixa maior. As máscaras de pestanas não se partem. As razões para deixar de aceitar estes envios eram muitas mais do que aquelas me faziam continuar a recebê-los”, afirmou a maquilhadora profissional.

Mais de nove meses depois da sua decisão, Samantha Ravndahl continua a acreditar que tomou a atitude certa, e sente-se confortável com a mudança: “Ouvi dizer que algumas marcas já deram indicações às suas equipas para serem mais responsáveis com as embalagens em que enviam os produtos, o que é fantástico. Em relação ao meu trabalho, sinto-me menos pressionada física e psicologicamente, e acabo por usar mais os produtos que já tenho, o que impulsiona a minha criatividade. Estou novamente entusiasmada com a maquilhagem e compro as coisas com que quero fazer reviews”.

Mas há quem não entenda por completo a sua decisão. “Há muita gente que me diz que agora sou rica (não sou), por isso posso parar de aceitar ofertas e parecer uma pessoa incrível por o fazer. Mas isto não foi nenhum plano diabólico que coloquei em marcha”, explica a influenciadora digital.

“As pessoas mudam. Envelheci, comecei a focar-me mais no ambiente, e decidi que não queria contribuir mais para o problema. Não tem nenhum significado mais profundo do que isso mesmo. Não estou a fazer isto para receber uma palmadinha nas costas. Mas claro que espero que a minha decisão envie uma mensagem positiva, e que os meus seguidores fiquem mais atentos ao desperdício e pensem naquilo que podem alterar”, conclui Samantha Ravndahl.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]