Os tiroteios em massa são uma assustadora realidade dos Estados Unidos. A frequência tem vindo a aumentar e o medo do terror invade o dia a dia dos norte-americanos. Só em 2019, segundo a revista “Time“, já se contabilizam pelo menos oito massacres, dois dos quais ocorreram no passado fim de semana, entre 3 e 4 de agosto. Sem qualquer ligação, as tragédias de El Paso, no Texas, e de Dayton, no estado do Ohio, tiveram pouco mais de 14 horas de diferença, tendo feito, no total, 31 vítimas mortais.

O massacre de Columbine, em 1999, parece ter sido o início deste capítulo de violência brutal, que leva a vida a pessoas que apenas tiveram o azar de estar no sítio errado, à hora errada. Em escolas, festivais, salas de cinema ou discotecas, os 20 anos seguintes continuaram a colecionar trágicos episódios de tiroteios, muitas vezes motivados por ideias racistas, xenófobas, de supremacia branca, e frequentemente levados a cabo por jovens, num país onde o acesso às armas de fogo sempre foi demasiado fácil e um tema eternamente debatido.

Estados Unidos. O país onde existem mais lojas de armas do que McDonald’s

Nos últimos 20 anos, houve 12 grandes massacres, que fizeram um total de 283 pessoas. As imagens que se seguem mostram as consequências destes crimes: as homenagens às vítimas, o trabalho das autoridades, os objetos deixados para trás, o choro dos familiares e amigos, os estragos nos locais dos crimes.

Massacre no Columbine High School, Colorado, 1999

Getty Images

A 20 de abril de 1999, os adolescentes Eric Harris e Dylan Klebold mataram 12 alunos e um professor da Columbine High School, em Littleton, no estado do Colorado, tendo deixado mais 21 pessoas feridas. Além do tiroteio, os autores do massacre também utilizaram bombas para distrair e manter os bombeiros afastados. Após o ataque, os dois adolescentes cometeram suicídio na biblioteca da escola.

As imagens de vigilância da escola deixam ver os dois atiradores.

Getty Images

Os motivos dos ataques permanecem incertos até hoje. No entanto, diários pessoais dos atiradores revelam que os jovens ambicionavam realizar um massacre com a magnitude de outros que aconteceram nos anos 90.

Massacre na Virginia Tech University, Virginia, 2007

Getty Images

A 16 de abril, mais de 30 pessoas morreram num massacre no campus da faculdade de Blacksburg, em Virginia. Depois de abrir fogo contra um dormitório e, duas horas depois, contra uma sala de aula. Cho Seung-Hui, sul-coreano de 23 anos, aluno da universidade, cometeu suicídio.

Cho Seung-Hui era depressivo e sofria com graves problemas de rejeição. Dois dias depois do massacre, a rede de televisão NBC recebeu uma encomenda do atirador com um manifesto, onde chegava a comparar-se a Jesus.

Massacre de Aurora, 2012

Dawna e Lee Nygaard sentam-se num banco dedicado a Johnathan Blunk, filho da mulher e uma das 13 vítimas mortais do tiroteio, que teve lugar a 20 de julho de 2012, numa sala de cinema. O massacre cometido pelo estudante da Universidade de Aurora, James Holmes, feriu um total de 71 pessoas. O jovem tinha graves problemas psiquiátricos, e chegou a identificar-se com Joker, o vilão do Batman, quando foi detido pelas autoridades.

Massacre de Sandy Hook, Connecticut, 2012

Corbis via Getty Images

O caos fora da escola primária Sandy Hook, em Newtown, no estado de Connecticut, depois de, a 14 de dezembro de 2012, Adam Lanza ter disparado e morto 27 pessoas, entre as quais oito meninos e 12 meninas, com idades entre os 6 e 7 anos, e ainda seis mulheres que trabalhavam na escola. O autor do tiroteio suicidou-se logo de seguida.

Ninguém sabe ao certo o que motivou o adolescente. O irmão mais velho, Ryan, na altura com 24 anos, disse no interrogatório que acreditava que o Adam sofria de transtorno de personalidade e tinha um espectro autista.

Massacre da Igreja Emanuel African Methodist Episcopal, 2015

Getty Images

Pessoas de luto fora da Emanuel African Methodist Episcopal Church, em Charleston, no Estado da Carolina do Sul, depois de, a 17 de junho de 2015, nove afro-americanos terem sido vítimas mortais de um tiroteio levado a cabo por Dylan Roof, um rapaz de 21 anos com ideias de supremacia branca. O atirador foi condenado, a 10 de janeiro de 2017, à pena de morte.

Massacre de Pulse Night Clube, 2016

Getty Images

Um agente do FBI investiga uma parede danificada da Pulse Nightclube, o bar gay em Orlando, no Estado da Florida, onde o segurança Omar Mateen, na altura com 29 anos, matou 49 pessoas a 12 de junho de 2016, tendo ferido outras 53, num massacre de ódio contra a comunidade LGBT. O atirador foi executado pela polícia no local onde o crime foi cometido.

Massacre Sutherland Springs Church, Texas, 2017

Getty Images

Na manhã de 5 de novembro de 2017, Devin Patrick Kelley matou 26 pessoas e feriu outras 20 durante uma missa da Sutherland Springs Church, em Shutterland Springs, no estado do Texas. O homem morreu com um tiro, depois de ser perseguido pela polícia. Na imagem, uma pessoa surge a rezar pelas vítimas.

As motivações do tiroteiro são incertas, no entanto sabe-se que serviu na Força Aérea dos Estados Unidos de 2009 a 2014, antes de ser submetido ao conselho de guerra na sequência de duas acusações de agressão à mulher e filhos.

Massacre Route 91 Harvest, Las Vegas, 2017

Getty Images

Foi o tiroteio com mais vítimas mortais na história dos Estados Unidos, tendo feito 59 vítimas mortais. Na noite de 1 de outubro de 2017, Stephen Craig Paddock, 64 anos, abriu fogo a partir de um buraco de uma janela no quarto 32 do Mandalay Bay Resort and Casino sobre as pessoas que frequentavam o Route 91 Harvest, um festival de música country, em Paradise, zona de Las Vegas conhecida como Las Vegas Strip. O autor do crime cometeu suicido no quarto de hotel.

Nunca foram conhecidas as motivações para o ataque. O pai de Stephen, Benjamin Hoskins Paddock, era assaltante de bancos e esteve no Top 10 da lista dos fugitivos mais procurados do FBI entre 1969 e 1977, depois de escapar de uma prisão federal.

Massacre Douglas High School, Florida, 2018

Getty Images

A 14 de fevereiro de 2018, um tiroteio na escola Douglas High School, em Parkland, no estado da Flórida, tirou a vida a 17 pessoas, tendo 15 sido hospitalizadas. O autor do massacre foi Nikolas Jacob Cruz, ex aluno da escola, na altura com 19 anos, que já tinha sido indicado ao FBI.

Nas redes sociais, o atirador tinha deixado algumas publicações onde dizia querer ser um atirador profissional em escolas.

Na imagem, alunos estão a ser retirados da escola após o massacre.

Massacre Sinagoga Tree of Life, Pensilvânia, 2018

AFP/Getty Images

A 27 de outubro de 2018, 11 pessoas foram mortas e sete ficaram feriadas, num ataque antissemita à sinagoga Tree of Life, em Pittsburgh, na Pensilvânia. Na imagem, uma mulher está junto do memorial colocado à porta do local da tragédia. Robert Gregory Bowers foi o autor do tiroteio, tendo entrado na sinagoga no decorrer de uma cerimónia.

Massacre em El Paso, Texas, 2019

AFP/Getty Images

Um carrinho de compras abandonado, depois do ataque que tirou a vida a 21 pessoas, no sábado, 3 de agosto, no massacre da Cielo Vista Mall Wall Mart, em El Paso, no Texas. O autor do ataque terá sido Nikolas Jacob, 21 anos. O jovem agiu com base em ideias racistas e de supremacia branca, contra aquilo a que deu o nome “invasão hispânica”, num manifesto que terá deixado escrito antes do ataque.

Massacre em Dayton, Ohio, 2019

AFP/Getty Images

Vários pares de sapatos pertencentes às vítimas do massacre cometido no centro de Dayton, no estado de Ohio, a pouco mais de 13 horas depois do tiroteio em El Paso. Connor Betts, 24 anos, terá sido o autor do ataque que matou nove pessoas, posteriormente abatido pela polícia. Uma das vítimas da tragédia, que teve lugar no domingo, 4 de agosto, foi Megan Betts, irmã do atirador. As motivações do crime ainda não foram identificadas.