9 trabalhos curiosos que não sabíamos que os cães podiam ter

Riley impede infestações nos museus, Lila e Maverick apanham lagostas no mar e o Capitão Ron localiza ninhos de tartarugas.

Há cães que foram treinados para participarem em trabalhos pouco comuns

Eles são capazes de aprender a ir buscar o jornal à rua, de encontrar os chinelos esquecidos debaixo da cama (que às vezes acabam roídos, mas passemos essa parte à frente) e até de perceberem algumas palavras que pronunciamos. Os cães são animais inteligentes, que se forem devidamente treinados conseguem aprender a desempenhar várias tarefas. Em alguns casos, eles até trabalham em colaboração com os humanos.

Os cães-guia são essenciais para ajudar os cegos nas tarefas do dia a dia, enquanto os cães farejadores de explosivos asseguram a segurança nos aeroportos. Eles também podem ser acompanhantes terapêuticos em centros hospitalares e até perceber se uma criança ou adulto está prestes a ter um ataque de epilético. Mas existem habilidades ainda mais únicas que estes animais conseguem adquirir — como por exemplo vigiar pessoas na piscina ou até apanhar lagostas em águas profundas.

A MAGG mostra-lhe 9 trabalhos curiosos que os cães conseguem desempenhar como ninguém.

1. Ajudar a manter as águas em segurança

A Escola Italiana de Cães de Resgate tem treinado vários animais para salvar pessoas de afogamento. Embora a maioria dos cães possam adquirir esta habilidade de resgate, a raça Newfoundland é a preferida, tanto pela sua pelagem externa forte como também pela resistência à água.

Atualmente, existem cerca de 300 a 400 cães de resgate treinados para ajudarem a manter as águas seguras em Itália e noutros países, incluindo a Alemanha e a Suíça.

2. Encontrar trufas valiosas no chão

Tal como os porcos, os cães também podem ser treinados para usar o olfato e farejar (delicadamente) os fungos subterrâneos, sem os comerem nem os estragarem — coisa que normalmente os primeiros costumam fazer.

A raça Lagotto Romagnolo é conhecida por ser excelente na caça às trufas, mas uma grande variedade de cães pode ser igualmente treinada para reconhecer o cheiro deste fungo comestível. A melhor parte é que, de acordo com o USA Today, alguns tipos de trufas podem ser vendidos por 900€ consoante o peso. Já há quem lhe chame o “ouro negro”.

3. Proteger peças de arte de possíveis pragas

Em 2018, o Museu de Belas Artes de Boston, Massachusetts, EUA, contou com a ajuda do cão bebé Riley para inspecionar os artefactos e objetos de valor inestimável. O animal tornou-se um voluntário, treinado para detetar pragas – como besouros e traças – que podem causar infestações prejudiciais ao espólio do museu.

Sendo da raça Weimaraner, o cão é treinado para se sentar diante dos artefactos se sentir um inseto dentro ou perto deste, o que pode ajudar a preservar milhares de objetos históricos.

O papel de Riley no museu ainda está em fase de experimentação, já que os cães não costumam ser usados ​​para este tipo de trabalho. Mas de acordo com a revista “Smithsonian“, se Riley concluir as tarefas de maneira correta, outros museus podem seguir o exemplo e treinar um cão com este objetivo.

4. Farejar cocó de baleia para que se façam estudos sobre as espécies ameaçadas

A Universidade de Washington, EUA, está a treinar cães para que estes consigam farejar fezes de espécies em perigo de extinção para que os humanos possam estudá-los.

A equipa procura cães com energia insaciável, que começam a ser treinados num programa especial ainda bebés. Alguns destes animais passam as suas “carreiras” num barco de investigação porque estão à procura especificamente de cocó de baleia.

Os cães andam de barco e, quando sentem o cheiro, avisam o resto da equipa indo para a proa. Assim que a amostra é recolhida, esta pode ser usada para verificar a saúde e estado de reprodução da espécie, bem como perceber se esta está em vias de extinção.

5. Apanhar bolas nos campeonatos de ténis

Entre muitos passatempos dos cães, podemos dizer que apanhar bolas é um dos seus preferidos. E é de realçar que eles são excelentes nessa prática. A pensar nisso, o torneio de ténis Brasil Open decidiu tirar proveito desta habilidade especial ao longo dos últimos anos.

Desde 2016 que os cães de rua são recrutados para apanhar bolas de ténis durante os jogos do torneio. Esta medida ajudou a promover a adoção de cães que precisam de um lar. Os animais até são vestidos para a ocasião com lenços.

6. Localizar ovos de tartaruga ajudando a manter os ninhos seguros

Um Beagle chamado Capitão Ron faz parte da Equipa de Conservação da Disney e ajuda os ambientalistas a encontrar ninhos de tartarugas marinhas na praia para que os animais possam nascer em segurança.

É através do nariz que o cão cheira o muco que as tartarugas marinhas deixam para trás depois de enterrarem os ovos. Leva apenas 30 segundos para o Capitão Ron encontrar um ninho, enquanto normalmente os humanos demoram cerca de 30 minutos, de acordo com a Disney Parks.

Assim que o ninho é descoberto, os humanos limpam e marcam a área para que os ovos não fiquem em risco, o que ajuda a aumentar a probabilidade de sobrevivência da espécie. Este é um trabalho especialmente importante, pois as tartarugas marinhas estão atualmente em perigo de extinção.

7. Saltar de paraquedas para ajudar em missões de resgate

Nas últimas décadas, a Força Aérea Colombiana usou cães para encontrar explosivos, drogas e outros contrabandos. Mas existe alguma dificuldade ao tentar chegar a certos locais para completar estas missões.

O terreno rochoso na Colômbia significa que, às vezes, a melhor maneira de chegar a determinadas áreas é saltar de um avião. Para poder contar com a ajuda dos animais durante estas operações, a Força Aérea Colombiana treinou alguns cães para saltarem de paraquedas.

8. Farejar aparelhos eletrónicos para ajudar a resolver crimes

Um cão bebé chamado Bear, da raça Labrador, usa as suas habilidades de investigação para encontrar pens escondidas, telefones e outros aparelhos eletrónicos que podem conter materiais ilegais, como pornografia infantil. Sabemos que é estranho, mas os dispositivos eletrónicos realmente têm aromas próprios e os cães devidamente treinados conseguem detetá-los. Os animais que têm sempre imensa vontade de comer normalmente são os melhores para farejar este tipo de equipamentos.

Bear é um dos poucos cães especialmente treinados para estas tarefas.

9. Apanhar lagostas em águas profundas

Em Boca Raton, Flórida, EUA, dois Labradores chamados Lila e Maverick mergulham na água para apanhar lagostas.
Alex Schulze, o mentor destes cães, disse ao “Local 10 News” que percebeu que eles tinham uma grande afinidade com a água e acabou por ensiná-los a mergulhar até cinco metros com o objetivo de caçar lagostas.

Ainda foram necessários dois anos para estes cães aprenderem a mergulhar profundamente enquanto controlavam a respiração e apanhavam as lagostas. Schulze disse que vende os crustáceos e doa 20% dos lucros para programas de conservação dedicados às tartarugas marinhas e ao oceano.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]