Quem é cliente da marca Apple, sabe o que é recorrer à assistente virtual Siri. “Hey Siri” são as duas palavras mágicas para receber dicas de restaurantes próximos do local onde estamos, para saber mais sobre um determinado assunto ou simplesmente para ter uma conversa descabida e assim ajudar a passar o tempo.

Infelizmente, não é apenas a Siri que está do outro lado. Segundo um relatório publicado pelo jornal “The Guardian”, e confirmado em anónimo por um ex-funcionário da empresa, as conversas podem ser ouvidas pelos trabalhadores da Apple. De acordo com a fonte, os trabalhadores têm acesso a pequenos excertos de áudio capturados pelo iPhone, Apple Watch e HomePod.

E nem sempre essas gravações se limitam a perguntas sobre o estado do tempo. Os funcionários têm acesso a informações privadas, como conversas entre médicos e pacientes, negócios, compra de drogas e ainda casais a fazerem sexo. Isto acontece porque a Siri é ativada automaticamente em algumas situações, como por exemplo ouvir o som de um fecho eclair — ela confunde este barulho com o de um gatilho.

O conteúdo vem acompanhado com a localização do equipamento, detalhes do contacto e dados de aplicações usados pelo utilizador do dispositivo. Ainda assim, garante o ex-funcionário, a empresa não pede detalhes sobre o que foi ouvido nos áudios. A única ação é enviar um relatório sobre uma possível falha técnica, para perceber se a assistente foi ou não ativada acidentalmente.

Apple está a recolher computadores MacBook Pro por sobreaquecimento das baterias

A Apple confirmou ao jornal britânico que tem acesso a uma pequena quantidade de excertos de áudio da Siri para ajudar a detetar falhas técnicas. No entanto, nega que seja possível identificar os utilizadores através das gravações.

“Apenas uma pequena parte das perguntas feitas à Siri é analisada para melhorar a assistente e a função de ditado. As solicitações da pessoa não estão associadas ao Apple ID do utilizador. As respostas da Siri são analisadas em instalações seguras e todos os revisores estão sob a obrigação de aderir aos requisitos rigorosos de confidencialidade da Apple”, disse a empresa em declarações ao “The Guardian”.

A marca acrescenta que as gravações têm “apenas alguns segundos de duração” e representam menos de 1% de tudo o que a Siri guarda.

Nos termos de utilização da Apple, a empresa afirma que os dados capturados pela Siri podem ser usados para ajudar a assistente. No entanto, não é referido o facto de outras pessoas poderem ouvir as gravações durante este processo.