Provavelmente já tentou fazer planos com os seus amigos para esta semana, mas os horários desajustados não ajudaram. Vale a pena o esforço: um estudo publicado em maio revela que a saúde geral e o bem-estar é influenciado pelas relações que temos com os outros.

Robin Dunbar, professor de psicologia evolutiva na Universidade de Oxford e o principal autor do estudo, reuniu 398 mulheres e 324 homens nesta investigação. Foram usadas duas variáveis — os relacionamentos amorosos e as relações sociais — para relacionar com a impulsividade (na primeira) e a empatia e o apego afetivo (na segunda).

Apesar de os resultados serem relativamente semelhantes entre ambos os sexos, as maiores diferenças fizeram-se notar nos homens. Os investigadores encontraram uma correlação entre o apoio da rede social e ansiedade no caso das mulheres, ao mesmo tempo que descobriram que os homens não se relacionaram com sentimentos de inclusão na comunidade local.

Os autores revelam também que o número e qualidade das nossas relações sociais podem ter efeitos dramáticos e imprevistos na nossa saúde e bem-estar. É por isso que o estudo levanta questões sobre os tipos de processos cognitivos envolvidos na construção e manutenção das relações sociais.

“Para as mulheres há uma conexão entre elas, sugerindo que o mundo da rede social feminina é mais integrada do que aquelas que são mantidas pelos homens”. A favor das relações mantidas pelas mulheres está também a relação empatia/impulsividade que se estabelece como a chave para o sucesso dos relacionamentos.

Há ainda uma outra diferença revelada pela investigação: enquanto os homens estão mais focados nas ligações coletivas entre grupos, as mulheres estão mais preocupadas com as relações individuais.

Se uma ida ao ginásio promove a saúde, passar tempo como os amigos também. Por isso, reúna os amigos e faça desse tempo uma sessão para manter boas ligações e promover o seu bem estar. Sem o mínimo esforço, uma gargalhada em conjunto com os amigos quase equivale a uma sessão de abdominais e uns copos de cerveja (com moderação) pode ser semelhante ao estado de tranquilidade obtido numa aula de ioga.

Oxitocina. Tudo o que precisa de saber sobre a hormona do amor e da sociabilidade

Noutro estudo de 2016, divulgado pelo “Southern Living”, os investigadores indicam que sair com os amigos pode aumentar a produção de oxitocina — a hormona, conhecida como hormona do amor e da amizade, que o nosso corpo produz quando estamos felizes.

A sugestão para fortificar as relações com os amigos (em especial para os homens que demonstram mais dificuldade em estabelecer uma rede sólida de relações) pode ser então juntar o grupo. De acordo com o “Southern Living”, planear uma saída com os amigos é benéfico dado que aumenta a expectativa de vida, reduz o risco de doenças cardíacas e aumenta o nosso limite de dor.

Seja para um plano de curta ou longa duração, o que importa é investir em tempo de qualidade com os amigos. De acordo com o “Southern Living”, “a ciência tem mostrado que a oxitocina pode tornar as pessoas mais confiantes, mais generosas e amigáveis. Todas as coisas que procura nos amigos.”