Eva chegou de surpresa. Rita Marques, de 38 anos, achava que o Enzo, na altura com 1 e meio, seria filho único e, por isso, deu tudo o que tinha do filho e que já não precisava. “Tinha só o carrinho e era porque ainda o usava”, conta à MAGG.

Nessa a altura, a educadora de infância percebeu que tinha que voltar a comprar uma série de coisas e começou a pensar numa forma de tornar essas compras mais sustentáveis. “Além disso, sabia que o meu gosto não era o da maioria”. Isto porque Rita nunca gostou de azuis para meninos e rosa para meninas. “Vestia o Enzo de preto, branco, cinza e cru e queria fazer o mesmo com a Eva, o que seria ainda mais difícil”, salienta.

Começou a vestir a filha com a roupa que deixava de servir ao Enzo, e percebeu que haveria mais mães como ela que, além de quererem vestir os filhos de uma forma mais cool, não queriam ter que comprar mil e um acessórios que, na sua maioria, duram pouco tempo.

Foi aí que Enzo e Eva deixaram de ser só os filhos de Rita para passarem também a dar nome a uma marca que, ainda que com pouco produtos, são todos multifuncionais.

Experimentei o carrinho de bebé de CR7 e Kate Middleton durante 2 semanas — e a minha vida nunca mais foi a mesma

Descrever o Eyrie (196€) — peça principal do catálogo — é até difícil tendo em conta as diferentes formas que pode tomar. Funciona como ninho para os bebés dormirem nos primeiros dias, que se transforma num ginásio para atividades de exploração nos meses seguintes. Pode ainda ser transformado num tapete, numa pirâmide onde se podem arrumar os brinquedos ou até numa tenda de índio — “o preferido das crianças”, admite Rita.

10 fotos

Há ainda o Belly (36€), um body preto sem molas que, por ser comprido, acompanha o crescimento da criança. Se for dado um nó na ponta, pode ser usado por recém-nascidos, até porque os deixa mais aconchegados. Serve também de muda fraldas, como pano de amamentação e, mais tarde, já sem o nó, como pijama.

Falta só apresentar as Braids (42€ ou 59€), ou tranças, que têm dois tamanhos e servem como almofada de amamentação e de proteção do berço e, mesmo antes disso, servem de almofada à mãe, quando a barriga já é demasiado grande para dormir confortável.

A marca apresenta-se como sustentável, não só pela durabilidade, mas pelos materiais com que os produtos são feitos. “As tintas não levam químicos e até a fita cola com que embrulhamos é de papel”, conta Rita.

O facto de todos os produtos serem em tons de preto, branco e cinzento faz com que possam ser passados para o segundo filho mesmo quando são de sexos diferentes e a sua multi funcionalidade evita que se comprem demasiadas peças diferentes. “O futuro é minimalista”, avisa Rita.

Os produtos estão à venda no site da marca mas, em breve, vão estar também disponíveis em lojas de Lisboa e Porto.