Os funcionários da Google ouvem os áudios dos clientes transmitidos para os altifalantes inteligentes instalados na tecnologia Google Assistant — Home Assistant, admitiu a gigante tecnológica esta quinta-feira, 11 de julho, justificando que as escutas servem para que funcionários especializados em idiomas possam analisar apenas fragmentos destes ficheiros, de forma a melhorar a tecnologia de reconhecimento de voz.

De acordo com a Google, o processo serve também para o desenvolvimento do sistema de inteligência do Google Assistant, utilizado no sistema alta voz do Google Assistant e nos smartphones Android, com o intuito de responder a comandos de voz dados pelo utilizador, tornando-se capaz de responder a perguntas — como por exemplo o clima.

Em comunicado, a Google disse que um pequeno número de gravações foi transcrita pelos especialistas e revelou que uma investigação foi iniciada após um dos funcionários a desempenhar estas funções ter divulgado ficheiros áudio de holandeses.

Google suspende serviços com a Huawei. O que vai mudar para quem tem um telemóvel da marca?

“Fazemos parcerias com especialistas em idiomas de todo o mundo para melhorar a tecnologia de fala, transcrevendo um pequeno conjunto de áudios — este trabalho é fundamental para o desenvolvimento da tecnologia que potencializa produtos como o Google Assistant”, disse.

“Acabámos de saber que um desses revisores violou as nossas políticas de segurança de dados, divulgando dados de áudio confidenciais de holandeses.”

A Google diz ainda que “as equipas de resposta de segurança e privacidade foram ativadas”, que estão a “investigar” e que “providências” serão tomadas. No mesmo comunicado, acrescenta: “Estamos a fazer uma revisão completa das nossas salvaguardas neste espaço para prevenir que erros como este voltem a acontecer.”

Não é a primeira vez que se dá o caso de escutas não autorizadas. No início deste ano, um relatório da Bloomberg divulgou que a Amazon ouvia algumas das interações dos utilizadores com a assistente de voz Alexa. A gigante tecnológica confirmou e, tal como a Google, explicou que o processo servia também para o desenvolvimento de sistemas de inteligência artificial.