Vê-se que Andreia Vale gosta de palavras. É um facto, que se justifica com dois argumentos muito sólidos. Em primeiro lugar, a autora é jornalista e, portanto, tem na base do seu trabalho as histórias, que sem palavras não existem.

Em segundo lugar, depois de lançar “Puxar a Brasa à Nossa Sardinha” e “Cruzes Credo, Bate na Madeira” — o primeiro onde dá sentido a expressões que muitos de nós usamos de forma quase inconsciente, todos os dias, o segundo onde justifica superstições comuns —, a autora junta à sua bibliografia “Da Boca para Fora“, onde explica o significado e a origem de mais de 100 palavras. A autora mistura dados factuais (etimologia, evolução e alteração do sentido) com eventos mais emotivos, como aqueles em que nos narra as situações para onde os diferentes vocábulos a remetem.

Da “saudade”, ao “beijo”, “porra”, “fixe” ou “foda-se”, a MAGG reuniu nove exemplos de palavras que vêm no livro “Da Boca para Fora”.

Editado pela Manuscrito, o livro está à venda por 15,9€

Saudade

A primeira palavra sobre a qual Andreia Vale fala é a mais portuguesa de todas, “tão intima e única”, tão “melodiosa e meiga”. Não existe uma tradução literal para este termo, porque o termo encerra em si mais do que um significado, ainda que sempre ligado às emoções e sentimentos, aqueles que são desencadeados pela falta que alguma coisa, alguma pessoa, algum momento, algum tempo da vida, nos faz.

Mas, como diz a autora, vamos a “factos e coisas concretas”: “A palavra vem do latim, solitate, que significa ‘solidão’. Das formas arcaicas ‘soidade’ e ‘soudade’, passando pela influência de ‘saúde’ e ‘saudar’, chegamos à palavra actual”, explica. “Traduz‑se por um sentimento de mágoa e nostalgia, causado pela ausência, desaparecimento, distância ou privação de pessoas, épocas, lugares ou coisas a que se esteve ligado e que se desejava voltar a ter, ver, ouvir ou sentir.”

Pindérico

Um termo popular, que se aplica várias vezes no momento de fazer apreciações ao sentido estético de alguém.

Sobre a origem da palavra, Andreia Vale explica que o termo é relativo ao poeta grego da Antiguidade Píndaro, de 522 a.C. “No blogue Contra Sereno Desespero, é explicado que a palavra pindérico terá uma relação com o adjetivo pindárico, que significa aquilo que se relaciona com o estilo de Píndaro, i. e., um estilo muito cuidado”, pode ler-se “Outras palavras derivam do mesmo étimo, como pindarizar e pindarista. A primeira significa louvar exageradamente, a segunda aquilo que é parecido com a natureza das poesias pindáricas e depreciativamente bajulador.

A jornalista conclui, então, que “pindérico pode ter surgido como uma variação, no sentido pejorativo ou burlesco, de pindárico”, afirmando ainda que “aquilo que tinha o sentido de magnífico, excelente, tendo em conta o estilo de Píndaro, ganha um cariz mais trocista e passa a ser usado, de forma popular e corrente, para nos referirmos a alguém ou a alguma coisa que é mais pobre, pirosa, foleira.”

Palavra “mulher” ganha novo significado no dicionário Priberam

Beijo

Vem do latim ‘basium’. Andreia Vale dá conta da antiguidade da palavra (com significados ligeiramente diferentes), ainda que não se consiga precisar o momento do seu nascimento.“Há textos que remontam até 3000 a. C. que falam de beijar como o ato de inalar a alma um do outro”, começa por explicar. “Na Grécia Antiga beijava‑se e os romanos até tinham três tipos de beijos: o basium, trocado entre conhecidos; o osculum, dado apenas a amigos íntimos; e o suavium, o beijo dos amantes.”

Épico

A festa foi épica. O jogo foi épico. O discurso foi épico. Utilizamos este termo com regularidade. Mas qual é a verdadeira origem desta palavra que adotamos da caracterização de feitos históricos?

“A palavra ‘épico’ vem do grego epikós e, em sentido figurado, significa heróico, grandioso, extraordinário. A palavra é relativa a epopeia, que é um poema épico, heróico, que narra as ações e os feitos de um herói que representa um grupo. As mais conhecidas são a Ilíada e a Odisseia, baseadas na guerra de Tróia”, diz.

Pachorra

“O dicionário diz que pachorra é a capacidade de suportar contrariedades, dificuldades e imprevistos com calma e tranquilidade. O mesmo que paciência, sendo que paciente (aquele que tem paciência) vem do latim patiens, aquele que sofre.”

E de onde vem “pachorra”? “Vem do castelhano pachorra, de pacho, ‘indivíduo lento e fleumático’, significa fleuma, indolência, e também pode ser falta de diligência ou de pressa, vagar, lentidão.”

Prostituta e puta

Entramos no departamento dos palavrões. Andreia Vale refere várias fontes e interpretações. Comecemos pela mais atual: puta, segundo o dicionário, vem do latim prostituta, palavra que, de acordo com Sérgio Luís de Carvalho, no Dicionário de Insultos, “virá do latim pro‑statuare, que quer dizer parado(a) ou exposto(a)”, refere. “Como diz o autor, no caso de prostitutas associadas aos templos, ‘ganharam o termo que as define pela sua postura de espera, paradas, em locais mais ou menos públicos’”.

Por outro lado, a palavra ‘puta’, segundo afirma Rafael Bluteau no Vocabulário Português e Latino, editado em 1712, nem sempre terá tido uma conotação negativa: “O termo ‘puta’ “chegou a ser ‘um vocábulo honestíssimo’, sinónimo de ‘moça puríssima e limpa’”, diz a autora, citando Bluteau.

O significado foi mudando com o tempo, num processo de “corrupção”, como descreve Andreia Vale, que considera que o termo “terá passado a significar prostituta, de modo a ‘encobrir a fealdade do vocábulo meretriz ou de outro igualmente feio’”.

Sérgio Luís de Carvalho refere, no entanto, que a etimiologia da palavra é incerta, sendo que poderá vir do latim “putus”, que partindo do puro e brilhante, “dá origem a menino, rapazinho, e do masculino puto passamos ao feminino puta, mas mais não seriam do que rapaz e rapariga. Só mais tarde a última ganha conotação negativa.”

Acrescenta: “Uma outra hipótese, referida por outros autores, é a de que o palavrão se trata de uma derivação do verbo putere, que em latim significa estar deteriorado ou cheirar mal.”

Caralho

É referente a pénis. Porém, a sua origem é incerta. “Apesar de não se saber ao certo de onde terá vindo a palavra caralho, pensa‑se que terá tido origem no espanhol carajo, uma expressão que pode designar um pau ou uma parte específica de um navio — a vigia, o lugar mais elevado de uma embarcação, a cesta no alto dos mastros das caravelas, que para além de postos de vigia eram postos de castigo, logo, ir para o caralho era algo negativo”, escreve a autora.

“A palavra, ‘muitíssimo frequente na Península Ibérica’, pode ter ‘uma origem ainda anterior à romanização’, defende João Paulo Silvestre, num artigo do Ciberdúvidas.”

Há mais possibilidades: no mesmo artigo, João Paulo Silvestre refere que o termo poderá ser anterior à romanização.

Foda-se

“A expressão não é uma invenção moderna. José Pedro Machado, no Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, uma das poucas obras dedicadas à etimologia portuguesa, refere que o verbo foder — do qual provém a palavra foda‑se — vem do latim futere, que significa ter relações sexuais ou praticar o coito”, explica Andreia Vale.

A palavra é antiquíssima. “Ainda de acordo com José Pedro Machado, o termo aparece em textos desde o século XII, não se sabendo ao certo quando terá sido cunhado.”

Porra

Mais uma espécie de palavrão de origem incerta, mas com hipóteses surpreendentes. E se lhe dissermos que a chegada do termo a Portugal poderá ter vindo com uma família castelhana de apelido Porra?

“Na obra Origem da Lingua Portugueza, publicada no século XVII, o historiador Duarte Nunes de Leão refere que o termo é de origem árabe. Porém, a teoria mais consensual é a de que a palavra terá surgido em Espanha. Segundo Rafael Bluteau, durante o reinado de D. Afonso V (1432‑1481), terá chegado a Portugal uma família de nobres castelhanos de apelido Porra, cujo brasão apresentava cinco maças (armas) com cabos verdes sobre um campo dourado.”

Agora, outra dúvida: o que estamos, objetivamente, a dizer quando proferimos o termo ‘porra’? Mais uma surpresa: “No Vocabulario Portuguez e Latino, Bluteau explica que a palavra porra é nada mais, nada menos do que o diminutivo da palavra cachaporra, uma espécie de pão que é mais grosso numa ponta do que na outra”, diz Andreia Vale.

Há mais sentidos. “De acordo com a definição de Eduardo Nobre, no Dicionário de Calão, na gíria popular porra serve para descrever o órgão sexual masculino, podendo também significar pau ou bastão. A semelhança com o alho‑porro, que é um vegetal com forma fálica, também não é coincidência.”

Levantar a moral? Não, está errado. 20 erros e deslizes gramaticais que cometemos no dia a dia

Meme

Uma palavra que nos chegou ao vocabulário com as redes sociais, porque é por lá que somos confrontados com estas imagens cómicas que satirizam momentos da vida real, com pessoas reais, com bonecos animados ou até vídeos. Quem nunca se sentiu o John Travolta de braços a abanar, desorientado com a vida? Exato. Somos todos John Travolta.

No entanto, o termo é mais antigo do que pensamos. ”O termo vem do grego mimema, que tem a mesma raiz de mimese e que significa imitação, e depois do inglês mimeme, que por aférese ficou meme e que depois levámos por empréstimo para o português”, explica a autora.  “Pedro Paulos explicou que os memes são assim. Organismos em propagação e, em muitos casos, mutação. Geralmente surgem por acaso, da criação aleatória de um anónimo. Essa criação solitária não é um meme porque não existe fenómeno. É a continuidade por terceiros e a relação que estes têm com o fenómeno que dá o estatuto ao meme e que o manterá vivo até que deixe de ser pertinente para a comunidade online.”

Fixe

Já em 1933 se ouvia a palavra “fixe”, pelo menos da boca de Vasco Santana, no filme “Canção de Lisboa”: “Já vou beber? Então fixe”, cita Andreia Vale.

A jornalista explica que não há consenso relativamente à origem — ou entendimento — desta palavra. “Por exemplo, o dicionário (Infopédia) diz isto: do francês fixe–, ‘fixo, imóvel, invariável’ (se bem que o fixe em francês se leia /ks/).”

Fará isto sentido, tendo em conta os contextos em que aplicamos a palavra, associados a satisfação ou entusiasmo? “Com esta explicação não percebo como é que de uma coisa fixa, imóvel, passamos para uma coisa que é boa, agradável, simpática e que quando usada com exclamação ‘exprime prazer, entusiasmo, satisfação, alegria’ e que significa «excelente!, óptimo!, maravilhoso!'”.

Bué

O significado do termo não se alterou. Apenas atravessou mares e fronteiras. “A palavra vem de Angola e é de lá que traz o seu significado (muito), mas também se usa em Cabo Verde e Moçambique, onde significa cumprimento”, diz. “No calão de Luanda (Angola), tem o significado do termo francês beaucoup e é com esse sentido (muito) que a usamos muito hoje em dia. Que é como quem diz, usamos bué.”