Os portugueses estão unidos para salvar uma bebé muito especial. O nome dela é Matilde, tem apenas 2 meses e sofre de uma doença rara: atrofia muscular espinhal de tipo I. A bebé precisa de um medicamento que só existe nos Estados Unidos e que custa dois milhões de euros.

Desde que o caso da pequena Matilde ficou conhecido, a 19 de junho, que o País decidiu contribuir para ajudar os pais da bebé a angariarem o valor do medicamento que a vai ajudar a combater a doença. É através de uma página de Facebook que são partilhadas novidades da Matilde, bem como os dados para a angariação dos dois milhões de euros.

Matilde. A bebé que precisa de um medicamento de 2 milhões de euros para sobreviver

E a meta está quase a ser atingida. Esta segunda-feira, 1 de julho, os pais da Matilde partilharam o valor até agora angariado. A conta solidária da bebé já ultrapassou a barreira do milhão. “Já conseguimos um milhão e 294 mil euros, estamos cada vez mais próximos e tudo graças à enorme corrente que vocês criaram ao caminharem junto connosco nesta luta”, pode ler-se na publicação.

Já só falta pouco mais de 700 mil euros para a Matilde poder adquirir o Zolgensma, o medicamento que só está disponível nos Estados Unidos e que ajuda a combater a doença rara. De acordo com o “Diário de Notícias“, existe um medicamento em Portugal que é utilizado para o atrofio muscular espinhal mas que não é tão eficaz.

Estados Unidos aprovam remédio mais caro do mundo: 1,9 milhões de euros por tratamento

Em declarações à mesma publicação, a neuroterapeuta Eulália Calado explicou que o Zolgensma é “muito mais eficaz” do que o medicamento utilizado em Portugal, o Nusinersen.

Este anúncio chega depois de notícias menos boas, uma vez que a pequena Matilde deu entrada nos cuidados intensivos na passada quarta-feira, 26 de junho, por estar com dificuldades respiratórias. Este domingo, 30, os pais voltaram a dar novidades sobre o estado da Matilde.

“Estou a recuperar bem e já respiro melhor, não tenho feito febre. Continuo a fazer antibiótico. Mas já tenho a máquina de ventilação assistida que vou usar em casa”, escreveram.