Jesús Gil foi um empresário polémico que, entre 1987 e 2003, assumiu a presidência do Atlético de Madrid enquanto mantinha o cargo de presidente da câmara de Marbella, em Espanha. Enquanto político e figura pública, assumiu um discurso muito próximo à ideologia da extrema-direita, pautado pelo populismo, homofobia, sexismo e xenofobia.

Mas a polémica em torno de Jesús Gil começou em meados de 1960. Na altura, o empresário detinha uma empresa de construção civil que ficou responsável por construir um complexo em San Rafael, perto de Segovia, em Espanha. O prédio colapsou, resultando na morte de 58 pessoas. 

A nova série da Netflix sobre um apresentador que mandava matar para ganhar audiências

As investigações confirmaram o pior: na altura em que o acidente aconteceu, ainda não tinha sido posto cimento no prédio e a obra foi concluída sem recurso a arquitetos ou inspetores. O projeto nunca foi supervisionado e Gil foi condenado a cinco anos de prisão. No entanto, apenas 18 meses depois foi perdoado por Francisco Franco. 

É esta personalidade polémica e profundamente conflituosa que é abordada em “O Pioneiro”, da HBO. O novo documentário da plataforma de streaming vai ser contado em quatro episódios.

A série promete passar por alguns dos momentos mais marcantes da sua vida, em especial o facto de ter conseguido chegar à presidência de um clube sem nunca gostar de futebol.

https://www.youtube.com/watch?v=VN_snVev8WY

É precisamente enquanto presidente do Atlético de Madrid que Jesús Gil contratou Paulo Futre, na altura considerado um dos melhores jogadores do mundo, e que foi entrevistado para a série sobre a sua relação com Gil e com o clube na altura.

“O Pioneiro” tem estreia marcada para 14 de julho.