O Sushi Corner deixa de ser um restaurante de esquina — ou de canto, escolha a sua tradução — para passar a ter um papel principal na movimentada Rua João II, no Parque das Nações. Presente já em vários centros comerciais, o restaurante abre agora o seu primeiro espaço de rua, para o qual foi criada uma nova carta que, aos poucos, vai ser implementada em toda a rede.

O chef Ricardo Pereira pensou num menu mais curto mas com opções pensadas para ir sozinho, a dois ou em família. Além de que, em qualquer um dos momentos, pode ser o cliente a criar os eu próprio menu.

Se escolher, por exemplo, o menu Entrada+Sushi, paga 7,95 e tem direito a uma entrada e um item à escolha entre os makis e os temakis disponíveis.

5 restaurantes asiáticos para quem (não) adora sushi

Há entradas mais clássicas como os tártaros e o edamame, mas também aqui há novidades. É o caso da Gyoza Bomb (4€), uma espécie de sopa de gyosa e o sushi arancini (4€), uma bola de arroz frita, recheada com atum e salmão.

Para quem prefere o sushi tradicional, há salvação. Opte, como nós fizemos, por o combinado Sushi to Sahimi, de 15 peças (13,95€) ou pelas bowls mais simples, como é o caso da Sashimi Sarada (9,50€) feita com vários tipos de peixe, cogumelos e tomate cereja.

Se a ideia for mergulhar em morangos e Philadelphia e continuar a dizer que foi ao sushi, avance sem medos para os temakis. Há o Roadster (4,95€) feito com salmão panado, philadelphia, pickles, cebolinho e teriaky ou o Strawberry (4,95€), com morango, salmão, philadelphia, ovas de peixe.

O chef apostou também nos pratos quentes, o que pode ajudar a explicar o forte cheiro a comida num sítio que serviria comida maioritariamente cura. Melhorando esse aspeto, sou capaz de arriscar num Niku Niku (6,75€), uma salada quente de massa frita com novilho marinado, coentros, sésamo e molho de soja doce.

8 melhores sítios para comer sushi em Lisboa e no Porto com vistas incríveis

O restaurante ocupa dois pisos e tem uma decoração em madeira, mais sóbria do que os tons brancos e verdes a que nos habituaram nos centros comerciais. São 64 lugares sentados, mas aconselhamos que vá com tempo ou espere pela hora do jantar. A zona é forte em escritórios e, no dia da visita da MAGG, a fila chegava à porta. 

O sucesso é explicado pela mestria do chef Daniel Rente, chef executivo do grupo SushiCafé e pelas novas ideias de Ricardo Pereira, mas também a uma promoção que, se for até ao final de junho, pode ainda aproveitar. Mediante a apresentação de um voucher que os funcionários estão a entregar no restaurante, é possível pedir dois menus e pagar apenas um.