Foi exatamente há 15 anos, no dia 28 de maio de 2004, que as portas do parque da Bela Vista, em Lisboa, se abriram para acolher a primeira edição do Rock in Rio Lisboa. O famoso festival criado por Roberto Medina nasceu em 1985, no Rio de Janeiro, Brasil, sendo Portugal o segundo País a receber o evento, que entretanto já se expandiu a Madrid e Las Vegas.

É verdade que em 2019 Lisboa não vai receber qualquer edição, dado que o festival só se realiza em Portugal de dois em dois anos, mas já se sabe que o um dos maiores eventos de música do mundo vai regressar à Bela Vista em 2020, mais precisamente entre os dias 20 e 28 de junho: a novidade foi anunciada durante os eventos de celebração do 15.º aniversário da presença do festival em Lisboa.

Ao longo das oito edições portuguesas do festival, muitos foram os artistas que pisaram o imponente Palco Mundo, e foram protagonistas de momentos e histórias marcantes — algumas conhecidas do grande público, e outras apenas sabidas nos meandros do backstage.

Crónica. O Aleste não é um festival, é uma festa

Para celebrar o aniversário de 15 anos do Rock in Rio Lisboa, pedimos ajuda a Ingrid Berger, a responsável pelos camarins do Palco Mundo desde a primeira edição, em 2004, que revelou à MAGG alguns segredos, pedidos inusitados e momentos curiosos de 15 artistas bem conhecidos. Preparado para regressar à Cidade do Rock?

Ivete Sangalo (2004 a 2018)

Ivete Sangalo nunca falhou uma edição do festival em Portugal

agencia zero

É a artista que participou em todas as edições do festival e os seus pedidos de camarins são sempre simples. “Como boa baiana que é, adora brigadeiros, mas também comida japonesa. Recebe sempre muitos convidados antes e depois dos concertos, trazendo com ela uma das equipas mais animadas”, conta Ingrid Berger. “Os seus músicos fazem muita festa nos camarins após o final das atuações”.

Paul McCartney (2004)

Paul McCartney exige apenas mobiliário revestido a tecido no seu camarim

agência zero

O ex-Beatle só admite móveis revestidos a tecido nos seus camarins — nada pode conter couro, plástico ou padrões de animais. Traz consigo a sua própria equipa, incluindo um chef de cozinha, sendo necessário montar uma cozinha industrial para confecionar a comida 100% vegetariana.

Sting (2004 e 2006)

Sting atuou duas vezes no Rock in Rio Lisboa

agencia zero

Segundo a equipa do famoso festival, o cantor inglês é um dos artistas mais simpáticos que já passou pelo Rock in Rio, mas também um grande apaixonado pela comida portuguesa. Depois da sua atuação em 2004, permaneceu três dias em Lisboa e pediu à equipa de Ingrid Berger ajuda para reservar o restaurante A Travessa e a cervejaria Ramiro.

Corinne Bailey Rae (2006)

Corinne Bailey Rae pediu ajuda à organização para conhecer Sting

agenciazero.net

Na edição de 2016, a cantora atuou no mesmo dia que Sting e pediu para ser apresentada ao músico e cantor inglês. Ficou tão nervosa que acabou por entornar um copo de água em cima do seu ídolo.

Guns N’ Roses (2006)

A banda norte-americana é das que faz mais exigências

agenciazero.net

“É sempre muito stressante trabalhar com a banda e a própria equipa de backstage é muito exigente. Tem de estar tudo pronto antes do vocalista chegar e ninguém pode estar no seu caminho quando chega, assim como na saída”, garante Ingrid Berger. “Há ainda uma célebre história do par de calças de ganga que Axl Rose deixou no avião à chegada a Lisboa e, meia hora antes do concerto, pediu para alguém as ir buscar”, recorda a responsável pelos camarins. Dado que o aeroporto fica muito perto do parque da Bela Vista, conseguiu cumprir-se a vontade do cantor.

Amy Winehouse (2008)

Amy Winehouse exigiu uma manicure vermelha e uma casa de banho junto ao palco

Antes do concerto começar, a cantora queria pintar as unhas de vermelho e ninguém nos bastidores tinha verniz. “Fui até aos camarins da Ivete Sangalo para tentar solucionar a situação e, por sorte, um dos elementos da equipa de Ivete tinha um verniz e foi possível pintar as unhas de Amy Winehouse com o verniz vermelho que desejava”, conta Ingrid Berger. À última hora, a cantora pediu ainda para ter uma casa de banho em cima do palco, que foi colocada  na entrada da escada para o Palco Mundo, para Amy poder usar durante o concerto.

Porque é que o Tremor não é um festival como os outros?

Elton John (2010)

O cantor britânico é muito cuidadoso com as flores que tem no camarim

Agencia Zero

O conhecido intérprete britânico especificou o tamanho de um vaso que queria ter no camarim, bem como os centímetros de caule por onde um conjunto de rosas teriam de ser cortadas para ali serem colocadas.

Joss Stone (2012)

Joss Stone assistiu a vários concertos de outros artistas no meio do público

Agencia Zero

A cantora inglesa pediu para ir até à zona de catering a conduzir o carrinho de golfe. De acordo com o staff do festival, foi muito simpática com toda a equipa de catering e andou no meio do público no Parque da Bela Vista para ver outros concertos. Não fez nenhum pedido especial para além de chá e gengibre.

Metallica (2012)

A banda norte-americana é bastante criteriosa quanto à louça

Agencia Zero

“A banda pede sempre um jantar especial com louça de porcelana, copos de cristal, talheres de prata e serviço de mesa nos camarins”, afirma a responsável de camarins. Pedem ainda para se montar uma lavandaria para a qual trazem duas máquinas de lavar e secar roupa, para tratarem das suas próprias roupas.

Rolling Stones (2014)

A conhecida banda teve um convidado surpresa desconhecido até para a organização do festival

agenciazero.net

Na edição de 2014, os camarins do Palco Mundo tiveram de mudar de lugar, uma vez que foi enviada uma planta específica que implicou a construção de 200 metros quadrados de camarins só para a famosa banda. “Foi dito à organização que trariam todo o mobiliário para os quatro elementos principais da banda, mas duas semanas antes do evento isso foi desmentido, tendo sido necessário encontrar o mobiliário específico que tinha sido pedido em tempo recorde”, afirma Ingrid Berger. Também foi construída uma pista de atletismo para uso da banda.

Mas ainda estava reservada mais uma surpresa para a organização: os Rolling Stones e Bruce Springsteen subiram juntos ao palco neste ano porque Mick Jagger ficou hospedado no mesmo hotel que o cantor norte-americano, que se encontrava em Lisboa para ver a filha participar num campeonato de equitação. Um encontro casual no hall do hotel levou os artistas a criarem esta surpresa, mas a organização só soube no próprio dia do concerto, tendo sido necessário montar à pressa mais camarins e uma área para receber os convidados VIP para uma pequena festa.

Bruce Springsteen (2016)

Bruce Springsteen prefere passear pelo backstage do que estar no seu camarim

AgenciaZero.net

Sem grandes exigências de artista, o músico norte-americano tomou banho antes e depois do concerto, passeou descontraidamente pelo backstage e não passou tempo nenhum no camarim a ele destinado.

Anitta (2018)

A cantora brasileira foi um dos nomes mais aguardados do cartaz e atuou no mesmo dia que Bruno Mars

Agenciazero.net

A famosa cantora brasileira trouxe 17 camiões de cenografia e uma grande equipa de bailarinos para o seu primeiro Rock in Rio, que marcou também a sua estreia nos palcos portugueses. No que diz respeito aos pedidos de camarim, “pediu muitas frutas, saladas, sumos naturais e doces portugueses”, salienta a responsável pelos camarins do Palco Mundo.

Muse (2018)

Os Muse fazem-se acompanhar de um chef de cozinha privado

Agenciazero.net

A banda trouxe consigo um chef, que montou uma tenda dentro do lounge dos artistas nos camarins do Palco Mundo. Cozinhou nessa cozinha improvisada para toda a banda, assim como para as famílias que acompanharam os músicos.

24 fotografias que mostram como eram os festivais de verão nos anos 60 e 70

Katy Perry (2018)

Katy Perry precisa de ter duas assistentes de camarins à disposição

Também a artista norte-americana não dispensou o seu próprio chef de cozinha, e todos os pedidos de camarins em relação a comida implicaram refeições vegan e kombuchas. Trouxe consigo um guarda-roupa enorme e “exigiu duas assistentes de camarins à disposição”, conta Ingrid Berger.

Xutos e Pontapés (2018)

O concerto de Xutos e Pontapés terminou com uma homenagem a Zé Pedro, com a presença do Presidente da República

Agenciazero.net

Durante o concerto dos Xutos & Pontapés no Palco Mundo, em 2018, os músicos portugueses não estiveram sozinhos. Numa homenagem a Zé Pedro (que faleceu no final de 2017), as mais altas figuras institucionais do País também marcaram presença: Marcelo Rebelo de Sousa, Ferro Rodrigues e António Costa, bem como um conjunto de figuras públicas subiram ao palco durante a atuação da banda, “o que tornou obrigatória uma alteração na logística do backstage, que teve de ser revisto por equipas especiais de polícia e cães pisteiros”, revela Ingrid Berger.