Já chega de sermos cabras umas para as outras

, por Marta Gonçalves Miranda