Houve um dia da sua vida em que achou que era boa ideia dar umas centenas de euros por uma carteira que jamais iria utilizar. Desde então, ela jaz sossegada e imaculada junto das outras, mas está a ocupar-lhe espaço e vale dinheiro.

Chegou a Farfetch Second Life para solucionar o desperdício. O programa de revenda de artigos de luxo foi lançado esta segunda-feira, 13 de maio, pela plataforma digital global Farfetch (fundada pelo português José Neves em 2007) em parceria com a Dream Assembly (um programa de aceleração tecnológica, lançado em 2018).

Como é que tudo se processa? Muito simples: os utilizadores devem, no novo site, submeter informações e fotografias das carteiras que querem colocar à venda. De seguida, o parceiro da Farfetch irá avaliar e fazer uma proposta de preço no espaço de dois dias úteis. Caso o valor seja aceite, é agendado um serviço de recolha e verificação do artigo. De seguida, o dinheiro da revenda é adicionado, na totalidade, à conta do cliente (não tem de dar nenhuma percentagem), de forma a poder ser utilizado em compras na Farfetch.

Não ponha a sua roupa no lixo. 11 formas de ser sustentável com os textêis

O serviço já está disponível no Reino Unido e noutros mercados europeus (exceto Suíça, Islândia ou Noruega), aceitando-se a revenda de carteiras de 27 marcas diferentes: Alexander McQueen, Balenciaga, Bottega Veneta, Burberry, Bvlgari, Cartier, Celine, Chanel, Chloé, Dior, Dolce & Gabbana, Fendi, Givenchy, Gucci, Hermès, Loewe, Louis Vuitton, Maison Goyard, MCM, Miu Miu, Mulberry, Prada, Salvatore Ferragamo, Stella McCartney, Valentino, Versace e YSL.

Aceitam-se itens com pequenas manchas no interior, desbotadas ou manchadas, com pequenos arranhões, fios soltos, marca de água em couro ou com a forma ligeiramente alterada. Material rasgado, completamente deformado, com furos, extremamente descolorado, rasgado nas alças ou com fechos danificados, não serão aceites, assim como material dos funcionários, amostras enviadas para a imprensa ou ainda sacos com monogramas ou personalização artística.

O novo serviço faz parte do Positively Farfetch, uma nova área da empresa que aposta num negócio sustentável, que, em conjunto com as marcas parceiras, tem como objetivo encontrar soluções e reinventar a industria de moda, de forma a beneficiar tanto as pessoas, como o planeta.