81 anos depois, uma mulher conhece a mãe biológica de 103 anos

Eileen Macken cresceu no orfanato em Dublin, na Irlanda. Oito décadas depois, reencontrou-se com a mãe, na Escócia.

A missão de vida foi cumprida: mãe e filha reunem-se passadas décadas, na Escócia

Depois de uma busca de 60 anos, Eileen Macken finalmente conseguiu: reencontrou-se com a mãe Elizabeth pela primeira vez, desde que era bebé, tendo viajado da Irlanda, onde cresceu, para a Escócia.

Uma fotografia mostra a reunião desta família. Mãe, 103 anos, e a filha, 81, aparecem abraçadas. Ao “RTÉ News” Eileen admite que nunca esteve tão feliz: “Fui vê-la e ela é a mulher mais bonita, com uma família muito querida, que me recebeu muito bem.”

Mas a mulher, que fez a viagem acompanhada pelo marido, filha e pelo genro, receou o encontrou, até porque nada foi combinado. “Bati à porta, disse que vinha da Irlanda e que tinha descoberto que a minha mãe biológica vivia ali. Perguntei se a podia conhecer e o senhor que veio à porta disse ‘claro que sim’”, diz. O homem que a recebeu, veio a descobrir, era um dos seus dois meios irmãos.

Quando entrou em casa viu Elizabeth a ler um jornal. Disse-lhe que vinha da Irlanda, ao que a mulher lhe responde: “Eu nasci na Irlanda.”

“Ela estava contente e nunca largou a minha mão”, relata Eileen, que conta que tiveram uma boa conversa.

A busca pela mãe biológica começou quando tinha apenas 19 anos. “Quando soube que ela estava viva, tudo o que eu queria era conhecê-la”, disse à mesma estação de televisão e rádio.

Eileen nasceu na Bethany Home e cresceu no orfanato Kirwan, na North Circular Road, na Irlanda, e, até então, nunca tinha conhecido nenhum familiar. “Estava muito triste porque ainda estava neste planeta e não conhecia ninguém da minha família”, disse, pela altura em que contactou a linha direta da estação de rádio e de televisão para fazer um apelo e encontrar a mãe. Mas foi com a ajuda de um ginecologista que Eileen chegou lá.

“Acho que nunca vou descer das nuvens”, diz Eileen, numa alusão à sua felicidade.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]