Recebi a melhor massagem da minha vida

Sou apaixonada por massagens e achava que já não conseguia ser surpreendida, mas no Hórus Massagens descobri que estava enganada.

Vou contar-vos tudo sobre a minha experiência na Horus Massagens

Não tenho outra maneira de começar este texto se não partilhar convosco aquilo que disse à minha mãe quando saí da Hórus Massagens, em Lisboa: “Todas as pessoas no mundo deviam receber uma massagem como esta que recebi pelo menos uma vez na vida”. Acreditem, estou mesmo a falar a sério.

E sabem porquê? Neste lugar, neste espaço, não interessa apenas o vosso corpo. Ele pesa muito, sim, mas há outros fatores em cada um de nós que influenciam o nosso bem-estar físico e mental. Aqui a doutrina privilegiada é o holismo, aquela que olha para o ser humano como um todo e não apenas por partes individuais. Explico-vos todo.

Horus Massagens

Morada: Rua Rodrigues Sampaio nº19 A, Lisboa

Contactos: 213 540 618/963 917 297
[email protected]

Preços: entre 55€ e 110€

A minha massagem foi feita pelas mãos da Vânia Vicente, que abriu o espaço a meias com Pedro Cunha. A ideia de criarem este lugar, conta o Pedro, nasceu do amor. O amor que a Vânia tem pelos seres humanos e o amor que o Pedro sente pela Vânia. Do meu ponto de vista, só podia sair um projeto muito especial quando é tratado assim com tanto carinho. Com as massagens que desenvolveram, o objetivo foi sempre ajudar o cliente a conectar-se com o seu interior. Acaba por ser uma espécie de viagem de sensações e, se experimentarem, vão perceber o que vos estou a tentar transmitir.

Cada massagem está ligada a outras disciplinas, como é o caso do reiki ou da terapia do som. Pessoas céticas que estão a ler este artigo: eu também sou, mas isso não significa que não seja curiosa e esta minha característica tem-me permitido abrir bastante os meus horizontes. Partilhando um pouco convosco a minha experiência, fiquei logo surpreendida com o espaço. Não só pela decoração que transmite muita paz, mas também pela forma como as massagens são pensadas. Não estive deitada em nenhuma maca, mas sim no chão, às escuras, rodeada de velas, quase como se estivesse dentro de uma tenda mágica cheia de poderes que eu desconhecia.

Depois de tentar desligar do mundo exterior, a Vânia massajou-me desde a ponta dos pés até à cabeça, dedicando algum tempo extra às minhas costas devido às dores constantes que tenho. No início do tratamento captou logo a minha atenção quando me perguntou se eu via mal. Se não sabem, eu vejo muito mal, daí a necessidade de usar lentes de contactos. E ela descobriu logo isto apenas por me tocar nos pés, naquele que ela me disse ser o ponto da visão. No final da massagem ficamos a conversar, avaliou o meu corpo e não hesitou em dar-me algumas dicas e conselhos. No fundo, obrigou-me a refletir sobre alguns hábitos. Atenção: isto só acontece caso o cliente queira. Se só pretenderem uma massagem, então nenhum terapeuta vai além disso. É sempre ao encontro das necessidades de cada um.

Podem escolher a massagem de relaxamento muscular, onde são usadas taças tibetanas e outro género de técnicas, mas tudo depende daquilo que o terapeuta interpretar quando tocar no corpo do cliente e perceber quais as suas carências.

Depois há um outro tipo de massagem um pouco diferente daquilo da que estamos habituados, a do toque consciente. É altamente subtil e começa com um exercício de meditação. Aqui a grande diferença é que é uma massagem onde não é exercida muita pressão, mas ao mesmo tempo é muito relaxante a nível muscular. Na verdade, aquilo que se está a trabalhar é a sensibilidade no corpo. Podem optar também pela terapia do som, também com taças tibetanas e bongos. Nunca ultrapassa a uma hora e é a única terapia do mundo que está comprovada que consegue chegar às nossas células, devido à vibração dos instrumentos.

Se a experiência for a dois, escolham a massagem de casal, onde podem decidir se preferem a de relaxamento muscular ou a de toque consciente. Segundo a Vânia, a segunda hipótese é sempre mais gratificante pois a meditação aqui praticada é sempre focada no casal. Além disso, há sempre às quartas-feiras uma terapeuta que se dedica à osteopatia, mas também não da forma convencional como a conhecemos.

Uma coisa muito engraçada que a Vânia e o namorado partilharam comigo foi que olham para o espaço que criaram como um cofre. Um sítio muito virado para a exclusividade e para o luxo. Um lugar onde as pessoas se possam abrigar do resto mundo e onde saibam que se podem libertar à vontade, sem medos do que pode vir dessa partilha.

Uma coisa posso garantir: vão receber um atendimento cinco estrelas e tenho 100% de certezas que vão sair de lá mais felizes.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]