“Por Treze Razões” volta a gerar polémica depois do suicídio de uma criança

Jessica Scatterson, de apenas 12 anos, seguia a série e terá deixado uma lista com as seis razões que a faziam querer deixar de viver.

A mãe da criança diz que fazem falta ferramentas na Netflix que protejam os mais jovens de conteúdo impróprio

Netflix

Uma vida em cassetes foi o que Hannah Baker (Katherine Langford) deixou aos amigos em “Por Treze Razões” depois de morrer. Era através delas que, na série da Netflix, a personagem pretendia dar a conhecer a sua história e os motivos que a tinham levado a pôr termo à vida na casa de banho de casa.

“Olá, sou a Hannah. Põe-te confortável porque vou contar-te a história da minha vida. Mais especificamente, por que razão a minha vida acabou. E se estás a ouvir esta cassete, é porque tu és uma das razões”, ouviu-se.

Não demorou muito até que a série, que se estreou em 2017, fosse recebida com muitas críticas. É que apesar de se ter tornado muito popular entre os adolescentes, foi acusada de romantizar o suicídio e de o mostrar como a única saída possível depois de anos de bullying.

A série caiu em esquecimento depois de uma segunda temporada mais fraca, mas agora voltou-se a falar do assunto devido ao suicídio de uma criança.

Segundo escreve o tabloide britânico “Mirror”, Jessica Scatterson, de apenas 12 anos, ter-se-á suicidado depois de ver uma série sobre uma adolescente que deixou 13 cassetes a explicar o motivo que a levou a matar-se.

Rachel Warburton, mãe da criança, explicou que a filha estava a acompanhar a série com os amigos e contou como Jessica terá “deixado uma lista com seis razões que a faziam querer deixar de viver.” E ataca a Netflix por falta de ferramentas que protejam os jovens de conteúdo impróprio e nocivo.

“Não quero que mais nenhum pai tenha de passar por aquilo que passámos. Incentivo qualquer um a estar atento ao que os filhos andam a ver online”, continuou.

Contactada pela mesma publicação, uma assistente social é da mesma opinião: “[A série] deveria ser banida porque a minha filha viu-a e dá a ideia às crianças de que se podem auto-mutilar.”

Mas embora seja verdade que em abril de 2017, um mês depois a estreia da série, a taxa de suicídio tenha aumentado em 28,9% nos EUA, investigadores dizem que não foi possível estabelecer uma relação direta entre as duas coisas.

“Os números dizem que foram mais os norte-americanos entre os 10 e os 17 anos a suicidar-se naquele mês do que num período de cinco anos. Nove meses depois da série estrear, houve ainda mais 195 casos de suicídio do que o esperado. Mas os investigadores dizem que não foi possível estabelecer uma relação direta entre estes números e o lançamento da série”, escreve a mesma publicação.

A Netflix já reagiu ao sucedido através de um comunicado oficial enviado às redações: “Os nossos corações estão com esta família. É um tópico extremamente importante e trabalhamos muito para garantir que este assunto delicado seja tratado com responsabilidade.”

“Por Treze Razões” já foi renovada para uma terceira temporada, mas ainda não há data de estreia anunciada.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]