Lisboa tem cada vez mais turistas mas as visitas aos museus caíram a pique

O "El País" diz que há duas explicações: ou os visitante são burros ou os responsáveis pelo património português estão a falhar.

O jornal espanhol diz ainda que o Museu Nacional dos Coches é o caso mais trágico e problemático

Embora Lisboa esteja cada vez mais repleta de turistas, a verdade é que são poucos aqueles que visitam os vários museus da cidade. Quem o diz é o jornal espanhol “El País”, que escreve que Lisboa é das poucas capitais europeias onde não se formam longas filas para visitar alguns dos monumentos mais importantes da história do País.

O jornal cita os dados disponibilizados pela Direção Geral do Património Cultural que diz que, só em 2018, museus, monumentos e palácios portugueses perderam mais de meio milhão de visitantes. Mas embora as entradas em museus tenham caído em cerca de 12%, a chegada de turistas ao País subiu em 11%.

Segundo a mesma publicação, há duas explicações possíveis: “Ou os visitantes são burros ou os responsáveis pelo património português não estão a saber fazer o seu trabalho.” E o jornal toma um partido, apostando na segunda hipótese.

“Em relação a 2017, o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado perdeu cerca de 37,7% do seu público, o de Etnologia perdeu 36,6% e o de Arte Antiga perdeu 27,6%”, lê-se ainda. Mas há mais, como o Museu de Teatro e Dança que recebe menos de metade das visitas do que aquelas que foram registadas em 2014.

Mas segundo o jornal, o caso mais desastroso é o Museu Nacional dos Coches que, atualmente, tem a mesma quantidade de afluência do que em 2015.

“Foi uma das últimas obras que os países do sul criaram com fundos europeus na altura das vacas gordas. Um museu que custou 40 milhões de euros desnecessariamente. Em suma, trata-se de uma vergonha nacional”, lê-se.

Quando foi construido, esperava-se que pudesse atrair cerca de um milhão de visitas. Mas este ano o número total é de 320 mil e, diz o jornal que “é o número mais baixo da sua triste história.”

“Além disso, a manutenção do museu exige 3,3 milhões de euros enquanto há outros que caem, literalmente, por falta de dinheiro e têm de fechar salas e auditórios por falta de vigilantes — como acontece com o Museu Nacional de Arte Antiga”, continua.

Mas o jornal vai mais longe e ataca a diretora do Museu Nacional dos Coches: “Mas como uma desgraça nunca vem só, a sua diretora Silvana Bessona culpa a falta de lugares de estacionamento, como se algum dos outros o tivesse”, conclui o jornal.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]