Na maioria das vezes, quando olhamos para uma criança pensamos que é inocente. As suas expressões mais ou menos maliciosas, as suas traquinices, brincadeiras ou gestos, nem sempre são os mais simpáticos ou amorosos do mundo, mas não há como não descupá-los. São apenas miúdos. Certo?

Errado. Um estudo publicado a 18 de abril na revista “Developmental Psychology” indica que as crianças são “perspicazes, até implacáveis, e sabem bem do que gostam e do que não gostam”.

Um grupo de investigadores da Universidade de Harvard realizou um estudo para analisar a capacidade que as crianças têm para julgar e avaliar aquilo que observam à sua volta — principalmente no que toca a identificar pessoas boas e pessoas más.

Diástase abdominal. O que acontece à barriga das mulheres depois da gravidez?

De acordo com a co-autora do estudo, Mahzarin Banaji, citado pela revista “Time”, “esta pesquisa mostra que as perceções das pessoas, por mais imprecisas que sejam esses julgamentos, surgem cedo nos seres humanos.” E vão melhorando com a idade.

O estudo foi realizado com 99 crianças entre os 3 e os 11 anos. Foram exibidas fotografias de rostos masculinos manipulados por computador para parecerem ser de confiança ou não, dominantes ou submissos, e competentes ou incompetentes. De seguida foi pedido às crianças que indicassem quais os indivíduos que achavam ser “bons” e os “maus”.

Escolas de Lisboa ensinam os alunos a andar de bicicleta

Numa primeira fase, e ainda de acordo com o estudo, 84% das crianças com 3 anos identificaram os indivíduos “bons” como aqueles que pareciam ser de confiança, submissos e competentes. No que toca às crianças mais velhas, a percentagem subiu para os 97%.

Para complicar um bocadinho mais a tarefa, as mesmas fotografias sofreram mais alterações para que a diferença entre as características fosse mais ténue. Mas essa segunda fase do estudo não serviu de muito, pois as crianças obtiveram os mesmos resultados.

De seguida, na terceira parte do estudo, as fotografias sofreram ainda mais alterações, mas os investigadores decidiram atribuir imagens de presentes ou doces para cada uma das fotografias.

“Este é o Edgar e este é o Martin. Se tivesses apenas uma bolacha [ou banana, ou presente] a quem é que a davas?”, era a pergunta feita às crianças.

A LEGO vai lançar tijolos de brincar que permitem aprender a ler em braille

Os resultados já foram diferentes, com as crianças mais novas a terem maior dificuldades em identificar os “bons rapazes”. De acordo com o estudo citado pela “Time”, no geral, 68% das crianças escolheram recompensar os rostos submissos e dignos de confiança.

“O ato de recompensar as pessoas com rostos mais simpáticos, parece emergir por volta dos 5 anos”, afirmaram os investigadores.

Michael Phelps explica aos pais como devem ensinar os filhos a nadar

Na última fase do estudo, os investigadores juntaram todas as experiências até então, com o objetivo de encontrar coerência nas escolhas das crianças em recompensar as pessoas “boas”. E encontraram, pois os rostos mais amigáveis foram os recompensados.

Desta forma, os investigadores concluíram que a capacidade em escolher recompensar aqueles que parecem ser boas pessoas tem tendência em melhorar com a idade.