Encontrar a password perfeita não é fácil. Tem que ser aquela que nunca vai ser descoberta, mas que também não é um bicho de sete cabeças para nos lembrarmos de cada vez que precisamos de a usar. E, muitas vezes, acabamos por escolher o mais básico, como um nome de uma pessoa, um número de telefone ou um nome de uma equipa de futebol.

Depois há ainda quem leve o básico a outro nível e escolha passwords como “123456”. Sim, esta é a password mais comum de sempre. Seguida por “123456789”, usada por quem gosta de complicar mais um pouco a vida aos hackers. Segundo um estudo realizado pela National Cyber Security Centre (NCSC), que analisou as passwords pertencentes a contas de todo o mundo que tinham sido roubadas, 23,2 milhões de contas usam “123456” como password. E 7,7 milhões opta pela segunda. Se estas são as suas passwords, está na hora de as mudar.

Mas estas não são as únicas passwords vulneráveis. Neste top 10 há ainda outras combinações que não dão qualquer trabalho a um hacker.

1. 123456
2. 123456789
3. qwerty
4. password
5. 111111
6. 12345678
7. abc123
8. 1234567
9. password1
10. 12345

Mesmo abaixo do número dez está “iloveyou”. Palavras como “monkey” e “dragon” também se encontram no top 20. “Blink182” foi a password com nome de banda mais usada, “superman” a de uma personagem fictícia, “sunday” foi o dia da semana mais usado e “august” o mês mais comum.

Fnac vai oferecer mais de 2 mil livros esta terça-feira em Lisboa

Segundo o NCSC, a melhor forma para reduzir o risco de entrarem na nossa conta é usar três termos aleatórios, mas fáceis de decorar. “A reutilização de uma password é um risco evitável. Ninguém devia proteger informações importantes com algo que pode facilmente ser adivinhado, como o primeiro nome, o clube de futebol ou a banda preferida. Sejam criativos e usem passwords que sejam fáceis de decorar por vocês, de modo a que outras pessoas não consigam adivinhar”, explica Ian Levy, technical director da NCSC.

Se a memória for realmente boa, pode optar-se por uma password tão difícil quanto a do jornalista Evan Osnos, do “The New Yorker”, que emprestou o iPad ao filho de três anos. As tentativas para acertar no código foram tantas, que apareceu uma mensagem no ecrã a dizer que o iPad estaria bloqueado até 2067.