Depois de muitas teorias no Reddit, contagens decrescente nas redes sociais e lágrimas ao rever os episódios mais dramáticos, “A Guerra dos Tronos” está de volta. O final vai ser contado em apenas seis episódios, tendo o primeiro chegado (atrasado) à HBO esta segunda-feira, 15 de abril.

Da política ao humor, a MAGG pediu a várias personalidades que vibram com a série que analisassem a oitava e última temporada. O primeiro episódio ficou a cargo de Sofia Afonso Ferreira, fundadora do Democracia21, um movimento liberal encostado à Direita.

“A minha geração está arredada do poder. Na Direita, temos de olhar com atenção para os mais novos”

Opinião. O meu reino por esta série

“Eis a tarefa mais ingrata de todas, escrever sobre o episódio mais aguardado da série mais aclamada de sempre e não cair na tentação de berrar já que o anão foi morto e limitar-me a detalhes técnicos de cenários e voos de dragão sem contar o enredo e não ser brindada com uma fatwa de morte pelos fãs.

Mas ainda assim é possível ser direta e ofender muitos fanáticos criticando a série mais dispendiosa de todos os tempos e que levou os seguidores a indignarem-se mais com o atraso da HBO a transmitir o episódio na madrugada de segunda-feira [15 de abril] que o devastador incêndio da Notre Dame em Paris?

Sim, é possível. O episódio não é o mais brilhante de todos. Já vimos melhor, lamento. O que conseguiram realizar de forma magistral foi apresentar um enredo com múltiplas interrogações e promessas que garantem atenção até ao fim da oitava e derradeira temporada. Lançaram os dados e agora vamos ficar colados ao teto até saber se o Jon Snow e a Daenerys Targaryen dizem sim ou sopas, quem ocupa qual trono e quantas maneiras inovadoras de rachar uma cabeça vão ocorrer na grande batalha final.

Não é pouco e isto tudo vai decorrer até à apoplexia final, o último episódio, aquele que depois de assistirmos nos vai condenar a consultas regulares de psiquiatria e muitos fármacos. Felizmente, tal evento funesto só decorre lá para maio, temos tempo para ensandecer com dignidade a roer as unhas. Pelo meio, para relaxar, podem seguir a telenovela política nacional que é mais ou menos o mesmo, conquistar reinos e cortar cabeças aos adversários com requintes de malvadez.

Agora a sério, estava a brincar, o anão está vivo, guardem os klenexs. Até aposto que vai ser o único sobrevivente, o soberano de todos os reinos e que na sua presença os súbditos serão obrigados a andar todos de gatas.”