Uma vez que permitem um contacto direto e imediato entre pessoas de diferentes partes do mundo, o potencial de um comentário se tornar viral nas redes sociais é muito alto. No entanto, com tanta visibilidade pública é possível que surjam mensagens de apoio ou críticas.

O caso mais recente aconteceu a 27 de março quando uma mulher utilizou o Twitter para partilhar uma fotografia do seu dermatologista durante uma consulta. O problema? Segundo vários utilizadores, a fotografia foi tirada sem o seu consentimento e com o propósito de objetificação sexual do médico.

Andámos enganados a vida inteira: afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

“Meu Deus, o meu dermatologista é tão bom”, escreveu na legenda da publicação entretanto apagada. As reações vieram de todos os lados: enquanto houve quem concordasse com os comentários da mulher, também houve quem criticasse a sua atitude.

“Isto é assédio sexual”, escreveu um utilizador. “Este homem estava apenas a fazer o seu trabalho enquanto esta utilizadora tirou a fotografia só para o objetificar”, lia-se noutra mensagem.

Mas também houve quem defendesse a atitude: “Qual é o mal de elogiar um homem bonito? Vocês têm é inveja dele, especialmente por ser mais bonito.”

Não contente com a situação, a mulher continuou a partilhar informações sobre o seu dermatologista, revelando até a morada do seu consultório. “Para todos os que pediram a sua morada, não têm nada que agradecer”, escreveu enquanto mostrava o cartão de visita do médico.

Dos binóculos desaparecidos aos cães resgatados. 12 curiosidades sobre Titanic

Em declarações ao site “Bored Panda”, o dermatologista Imran Aslam reagiu à situação afirmando que não sabia de nada. “Quando me disseram que eu era tendência no Twitter quase me passei. Comecei a receber mensagens de amigos a dizer que a publicação mais popular era sobre mim”, explicou.

“Depois de a ansiedade ter passado, comecei a achar que se tratava de uma situação engraçada”, acrescentou. Já sobre a questão do suposto assédio por parte da sua paciente, Imran afirma que se tornou numa discussão bastante interessante.

“Muitos dos comentários sobre a minha foto seriam considerados assédio sexual e eu entendo totalmente. Se esses mesmos comentários fossem feitos sobre uma mulher, haveria um alvoroço”, continuou.

Com esta brincadeira, o dermatologista tornou-se viral. A publicação acabou por atingir números impressionantes, com mais de um milhão de reações no Twitter em apenas cinco dias.