O que se sabe sobre o envolvimento de Allison Mack na seita sexual que escravizava mulheres

A atriz de "Smallville" recrutou as vítimas e teve a ideia de as mutilar e marcar como gado. A pena de prisão pode chegar aos 40 anos.

Allison Mack declarou-se culpada na segunda-feira, 8 de abril

AP

Existe desde 1998 mas só em 2018 é que se descobriu que a NXIVM era tudo menos aquilo que fazia crer. Apesar de dizer que vendia seminários de crescimento pessoal, servia na verdade como porta de entrada para uma rede de tráfico humano onde as mulheres eram marcadas como gado e usadas como escravas sexuais durante vários anos.

Além de manipuladas de maneira a inscreverem-se na organização, as mulheres eram ainda mutiladas na região pélvica com um símbolo estranho que consistia nas iniciais de Keith Raniere, o fundador. Para ele, aquelas mulheres serviam apenas para satisfazer todas os seus fetiches sexuais.

O caso ganhou popularidade quando se descobriu que Allison Mack, mais conhecida pelo seu papel na série “Smallville”, estava envolvida na seita. Mas a verdade é que a atriz permaneceu em negação durante muito tempo — chegando mesmo a declarar-se inocente de todas as acusações de que era alvo.

A primeira vez aconteceu em abril quando um dos procuradores a descreveu como sendo uma das figuras mais importantes da organização — já que lhe cabia a ela a seleção das mulheres para Raniere.

“[Mack] fez parte dos membros mais importantes de uma rede organizada que tinha, como único propósito, possibilitar relações sexuais com Raniere. Com o pretexto de promover o empoderamento feminino, Allison Mack esfomeava as vítimas até que elas correspondessem ao ideal feminino e magro que Keith Raniere pretendia para si”, terá dito.

Apesar de se declarar inocente, foi esta segunda-feira, 8 de abril, que a atriz mudou a sua versão dos factos. Não só revelou ter manipulado e recrutado várias mulheres para a sociedade secreta, como admitiu ter feito pressão para que elas revelassem informação confidencial sobre as pessoas que lhes eram próximas. Tudo, claro, para que aquela sociedade secreta e criminosa tivesse sempre algo com que chantagear as suas vítimas caso elas alguma vezes decidissem abandonar ou denunciar a organização.

“Sinto muito por todas as vítimas deste caso e peço desculpa a todas aquelas que magoei devido à minha adesão aos ensinamentos de Keith Raniere”, ouviu-se em tribunal durante a confissão da atriz. 

A confissão vai ao encontro da informação que a atriz adiantou ao “The New York Times” seis meses antes de ser presa — em abril de 2018 —, onde confirmou ter dado a ideia de mutilar com canetas cauterizadoras as “escravas” que entravam na organização.

Mas segundo escreveu o “New York Post“, foi Kristin Kreuk, outra das atrizes principais da série, que terá estabelecido o contacto entre Mack e a NXIVM (que é suposto ler-se “Nexium”).

No entanto, e apesar do seu envolvimento, Kreuk negou sempre ter feito parte do círculo fechado e secreto que traficava e mulheres.

“As acusações de que fazia parte do círculo íntimo da NXIVM ou que recrutava mulheres para serem escravas sexuais são falsas. Durante o meu tempo na organização, nunca assisti a qualquer tipo de atividades ilícitas. Estou horrorizada e enojada com as práticas em que a NXIVM estava envolvida”, escreveu a atriz na sua conta oficial do Twitter.

O resultado da sentença de Allison Mack está marcado para 11 de setembro, e a atriz arrisca-se a uma pena que pode ir até aos 40 anos de prisão.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]