A nova série da Hulu, “The Act“, em exibição na HBO Portugal, tem todos os elementos para nos deixar agarrados ao ecrã. Em primeiro lugar, trata-se de uma história verídica com contornos muito insólitos — uma mãe que sofre do síndrome de Münchhausen convence tudo e todos de que a filha é doente.

Em segundo lugar, está cheia de detalhes mórbidos, como obrigar a menina a andar de cadeira de rodas ou acorrentá-la à cama. Quando acreditamos que determinada cena só pode ser ficção, vamos à internet e lá descobrimos que afinal era verdade. Em terceiro lugar, tem um elenco de luxo: Patricia Arquette faz o papel da perturbada Dee Dee e Joey King de Gypsy. Por fim, termina em tragédia — não vamos fazer spoilers, mas toda a gente que está a acompanhar a série já percebeu que algo dramático acontece no final.

“The Act”. A história macabra (mas verdadeira) da nova série da HBO

É verdade que “The Act” está a conquistar audiências. Mas é verdade também que, tratando-se de uma história verídica, há muito mais envolvido do que apenas o nosso entretenimento. Em entrevista ao “Springfield News-Leader” a 4 de abril, a madrasta de Gypsy, Kristy Blanchard, disse que a família estava infeliz pela forma como está a ser representada na série.

Nenhum dos membros da família esteve envolvido em “The Act” — a série foi preparada com base num artigo do “Buzzfeed“, publicado em 2016. No entanto, diz Kristy, foi-lhes prometido que não seria assim.

“Entrei em contacto com Michelle [Dean, uma das produtoras e argumentistas da série], mas ela bloqueou-me em tudo. Enviei-lhe uma mensagem de voz: ‘Olá, como está?’. Nada de rude. Quando me retribuiu a chamada, acho que percebeu que eu era do Louisiana e desligou imediatamente o telefone”.

Filhos de Patricia Arquette não queriam que a mãe participasse em “The Act”

A chamada aconteceu em setembro do ano passado. A família diz que também enviou uma carta registada à Hulu, no entanto a mesma foi devolvida ainda por abrir.

“Estamos a investigar quais são os nossos direitos legais”, disse à mesma publicação Franchesca Macelli, a argumentista contratada pela família Blanchard para criar um drama de televisão rival à série da Hulu, apelidada “By Proxy”.

Macelli está a produzir uma série sobre a história de Gypsy, e garante ter falado com todos os envolvidos — até com a família Godejohns, do ex-namorado de Gypsy, Nicholas.

Gypsy também não está contente com o resultado

Num comunicado enviado à “Bustle“, Gypsy disse: “Não consigo ver ‘The Act’. No entanto, sinto que é muito injusto e pouco profissional que produtores e a co-produtora Michelle Dean usem o meu nome e a minha história sem o meu consentimento”.

E foi categórica: “Vai haver uma ação legal contra os criadores da série. Eu quero partilhar a minha história e chamar atenção para o síndrome de Münchhausen, na esperança que encoraje aqueles que podem estar a sofrer de abuso a falarem, porque alguém vai ouvir. Nenhuma criança merece sofrer, muito menos pela mão de um pai”.

A madrasta Kristy explicou ao “Springfield News-Leader” que Gypsy estava extremamente magoada quando escreveu esse comunicado, e que toda a família está debaixo de um enorme stresse desde que a série foi lançada. “Ó meu Deus, eu nem acredito que uma manhã acordei e esta era a minha vida. Não desejo isto a ninguém.”

Para Kristy Blanchard e Franchesca Macelli, as frases “baseado em” ou “inspirado em” são imprecisas. Reconhecendo que a ficção pode tomar certas “liberdades”, Macelli garante que “as liberdades que foram tomadas não foram as liberdades certas”.

A madrasta de Gypsy remata: “Em termos de media, acho que é isso — eles não se importam com quem está a sofrer no processo.”