A atriz Rita Pereira rumou a Miami para umas férias de praia e sol. A notícia da paragem do programa “Apanha se Puderes” coincidiu com a viagem, o que levou alguns meios de comunicação a suspeitar que a interrupção poderia estar de alguma forma relacionada com as baixas audiências.

Segundo a “Flash“, Helena Forjaz garantiu que as audiências não foram o problema: “Não tem nada a ver com as audiências. No final das férias o concurso regressa garantidamente à TVI”.

Polémicas à parte, a atriz de 37 anos foi para Miami e já partilhou fotos das férias. “A dar início à secção de posts sobre Miami”, foi assim que a atriz fez saber aos seus seguidores onde estava.

Rita Pereira numa praia de Miami

Nas fotografias, Rita Pereira aparece sozinha, o que levou alguns seguidores a questionar a ausência do filho Lonô, de 3 meses. De um rol de comentários maioritariamente a elogiar a forma física da apresentadora, outros houve em forma de crítica por a atriz ter ido de férias para o outro lado do Atlântico sem o filho recém-nascido.

“O bebé da Rita é muito pequenino, ainda precisa de sentir a mãe”, “O clássico, eu com um bebé de 3 meses recusaria a festarola em Miami, mas enfim. Pobre criança o que te de aturar. E o que vai ainda aturar com uma mãe desta estirpe fria como as cobras…”, foram alguns comentários deixados nas fotografias de Rita Pereira em Miami.

A atriz respondeu a alguns destes comentários apenas com alguns emojis a rir. Noutra ocasião, escolheu uma legenda para uma fotografia que parece ser uma resposta aos comentários negativos: “Desculpem-me, mas obviamente confundiram-me com alguém que se importa. Tenham um bom um dia, eu vou ter um dia louco”.

Parentalidade positiva. “O principal erro dos pais é quererem ser perfeitos”

Deixar um filho com 3 meses pode ser prejudicial para a criança?

A MAGG foi tentar perceber junto de um pediatra se existe uma idade específica para as mães se ausentaram de perto dos filhos, seja em férias, seja em trabalho. Segundo o médico Manuel Cunha, pediatra e coordenador do núcleo de desenvolvimento do hospital de Cascais, esta é uma questão que depende de vários fatores: o tempo de ausência e o facto de a mãe estar ou não a amamentar o bebé.

“Obviamente que quanto mais tempo o bebé estiver com a mãe melhor”, começa por explicar, mas “idade limite para a mãe deixar o bebé não existe”.

Segundo o pediatra, as saídas das mães são recomendadas. “Imagine, por exemplo, uma mãe que está a amamentar. Mesmo nas primeiras semanas de vida do bebé, pode sair de casa sem o filho, entre amamentações. Pode e deve fazê-lo”, esclarece.

Rita Pereiro com o filho Lonô

No caso da amamentação, o médico revela que os seis meses podem ser uma idade chave: “Os bebés devem fazer leite materno exclusivo até aos seis meses de vida”. Por esta razão, os primeiros seis meses de uma criança são um período fulcral onde bebé e mãe não devem ser separados por muito tempo.

O tempo de ausência também pode ser um fator condicionante. No caso de uma ou duas horas, a ausência não será problemática. Se esta for prolongada, “pode criar alguma instabilidade emocional no bebé”. Esta ausência demorada pode criar uma perturbação na relação entre mãe e criança em qualquer idade, e não só nos mais pequenos.

Existe, de facto, uma relação importante entre os bebés e crianças e as mães. “Mas isto não quer dizer que o bebé não fique bem cuidado com o pai ou com os familiares”. Aliás, a legislação portuguesa já permite que os pais partilhem a licença pós-parto com as mães: “Neste caso as mães que têm de voltar rapidamente ao trabalho, têm o apoio do pai nessas situações”.