Realizador de “Leaving Neverland” admite erro no documentário

A polémica surgiu depois de o biógrafo de Michael Jackson provar que as vítimas não podiam ter sido abusadas na estação de comboios.

Depois da estreia de "Leaving Neverland", várias rádios censuram a música de Michael Jackson

Getty Images

Foi acusado de não ter contactado Macaulay Culkin, um dos “meninos” de Michael Jackson, e de não ter tido interesse em ouvir a família ou figuras próximas ao rei da pop no seu documentário, “Leaving Neverland”. Agora, Dan Reed (“The Valley”), o realizador, está outra vez debaixo de fogo e é acusado de ter dado voz a vítimas que revelaram informações incoerentes e com o propósito de difamar o legado pelo músico.

As acusações foram feitas por Mike Smallcombe, o biógrafo oficial de Michael Jackson, que diz que as declarações feitas por James Safechuck, uma das alegadas vítimas, eram falsas.

Durante o documentário, Safechuck revelou ter sido abusado sexualmente pelo rei da pop no sótão da famosa estação de comboios do rancho, entre 1988 e 1992. No entanto, o escritor teve acesso à planta usada na construção da estação e refuta estas afirmações.

É que a planta só terá sido aprovada em 1993 e a estação só abriu no ano seguinte, tal como escreveu na sua página oficial de Twitter.

O realizador britânico, Dan Reed, não demorou a responder. “Sim, parece que não há dúvidas em relação à data de construção da estação de comboios. A data em que eles erraram diz respeito ao fim dos abusos sexuais”, escreveu.

Numa entrevista ao tabloide britânico “Mirror”, Smallcombe acusou o realizador de querer mudar a versão dos factos tal como eles foram contados pelas alegadas vítimas que participaram no documentário.

“Depois de a história ter sido desmascarada, parece que o Reed quer agora mudar a versão dos eventos tal como foi apresentada por Safechuck. Estou chocado que ele tenha falado pelo Safechuck e sinta a necessidade de mudar a narrativa do filme, só porque grande parte das declarações já foram refutadas”, explicou.

“Ao confirmar a data de construção da estação de comboios, o Reed está a confirmar que as afirmações de Safechuck são falsas, já que é impossível ele ter sido abusado ali entre 1988 e 1992”, continuou.

Desde o lançamento de “Leaving Neverland”, já disponível na HBO Portugal, houve rádios a censurar as canções do músico e até os produtores de “Os Simpsons” decidiram deixar de transmitir um dos episódios onde Michael Jackson aparece.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]