A história comovente e trágica da morte dos dois cães de Catarina Furtado

Lawanki morreu devido a problemas cardíacos graves, Tuca não aguentou a ausência do irmão e partiu poucas horas depois.

Lawanki e Tuca viveram 13 anos com a apresentadora

Instagram

Lankawi e Tuca faziam parte da vida de Catarina Furtado há 13 anos. Pertenciam à mesma ninhada e cresceram juntos, ao ponto de se tornarem inseparáveis. Mas nem sempre foi assim. Enquanto Lankawi, nome inspirado nas ilhas Langkawi, da Malásia, foi oferecido pela mãe da apresentadora, Tuca ficou com a mãe de Catarina até ambas perceberem que os dois cães estariam mais felizes um com o outro.

Lankawi passou a ter a companhia constante de Tuca e desde então que viviam, saíam à rua e brincavam juntos. Criaram um laço inquebrável, o que faz com que o desfecho desta história tenha tanto de trágico como de comovente.

No fim de semana passado, 23 e 24 de março, Lankawi morreu devido a problemas cardíacos. Poucas horas depois seguiu-se Tuca, que não aguentou a tristeza da ausência do irmão.

A apresentadora recorreu à sua página de Instagram para partilhar com os seus 346 mil seguidores uma “homenagem a dois cães maravilhosos” que, segundo escreveu, vão “deixar uma saudade imensa”. Mas aproveitou também para alertar todos os que maltratam animais e se mostram indiferentes ou céticos em relação aos seus sentimentos.

“É também um post de alerta para quem trata mal os animais porque desvaloriza os seus sentimentos. Ao Lankawi falhou-lhe o coração por questões de saúde, à Tuca falhou-lhe o coração poucas horas depois, por questões de tristeza. Não aguentou a sua ausência. Partiram juntos”, escreveu a apresentadora.

Em declarações à MAGG, Catarina Furtado recorda os cães com muito carinho e diz que os dois eram muito diferentes um do outro. Enquanto Lankawi era um cão mais mimado, Tuca era mais independente mas muito fiel.

“Nenhum era endiabrado. Eles ladravam muito a quem passava perto do nosso portão, mas eram muito mansos. Só gostavam de marcar a sua posição”. 

A apresentadora não tem dúvidas de que os dois animais de estimação adoravam os filhos. “Fazíamos grandes passeios por Monsanto todos juntos e os meus filhos sempre os levaram pela trela. Mas eram mais as vezes em que era os meus filhos a ser puxados do que o contrário”, continua.

Talvez pela boa relação que sempre existiu entre as crianças e os animais, tenha sido tão difícil para Catarina falar do que aconteceu. É que embora toda a família os adorasse, era João Maria, 11 anos, quem se sentia mais próximo deles.

“Foi um enorme choque, sobretudo pelo motivo da partida da Tuca. Nem a autópsia nem as análises acusaram alguma coisa de anormal. O coração dela não aguentou o desgosto de perder o Lankawi. Não tinham passado seis horas.”

Apesar da idade, nunca nenhum dos cães teve algum problema de saúde grave. O inesperado aconteceu quando, a certa altura, Lankawi surgiu mais inerte e pouco enérgico.

Numa ida ao veterinário, soube-se o pior: o animal tinha problemas cardíacos graves e, poucas horas depois da consulta, acabaria por morrer.

“No dia em que o Lankawi foi levado pela veterinária para a clínica, a Tuca lambeu-o de uma ponta à outra. Ela pressentiu o que ia acontecer e não aguentou ficar sem ele por muito mais horas. É uma história muito triste, mas muito bonita”, lamenta.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]