São cada vez mais as preocupações com a poluição mundial e, principalmente, com o uso (e abuso) do plástico. Começamos finalmente a interiorizar que devemos evitar o uso do plástico descartável no nosso quotidiano. Em Portugal, alguns restaurantes e cafés já começam a adotar outras alternativas. Na Tailândia, um supermercado em Chiangmai teve uma ideia para evitar o uso excessivo de plástico usado para embalar frutas e legumes. 

A solução encontrada pelo Rimping Supermarket foi utilizar um material resistente, que existe em abundância, totalmente orgânico e ainda muito bonito: a folha de bananeira. A solução chamou a atenção devido à sua simplicidade e eficácia.

As folhas de bananeira são grossas, largas e flexíveis. Podem ser enroladas e dobradas facilmente, sem partir, e suportam também variações de temperaturas — ideal para o corredor de produtos refrigerados. As folhas totalmente orgânicas são bastante fortes, e embalam perfeitamente os produtos, que ainda levam um laço de fibra natural para fechar a embalagem.

5 fotos

As vantagens em substituir o plástico por folhas de bananeira são muitas. Por um lado, a folha é matéria orgânica que se decompõe naturalmente, ao contrário do plástico, que leva centenas de anos para desaparecer e, durante o processo, polui ecossistemas e mata milhares de animais. Outro benefício é que a compostagem da folha de bananeira adiciona nutrientes ao solo, deixando-o mais rico. Além disso, são à prova de água, pois a superfície da sua folha não absorve água quando exposta a condições húmidas.

Falámos com os criadores das palhinhas de massa. “O segredo está em cada um de nós e não na abolição do plástico”

Embrulhar coisas com folhas de bananeira não é exatamente uma novidade para a cultura culinária de continentes como a Ásia. Países como a Índia usam folhas de bananeira para pratos de arroz há séculos, enquanto as vizinhas China, Tailândia, Vietname e Malásia também utilizam este truque para embrulhar alimentos. No Brasil, era muito utilizado pela cultura indígena e caiçara.

Segundo o “CicloVivo“, a solução era apenas um projeto piloto, que acabou por chamar a atenção mundial, sendo que a resposta do público foi muito positiva. As novas embalagens ecológicas deste supermercado podem ajudar o setor de frutas e legumes a adotar uma alternativa ao plástico, que seja viável economicamente, e que ainda possa ser reproduzida em larga escala.