Estudo. Uma pílula para os homens? Já faltou mais

O contraceptivo masculino também junta diferentes hormonas. Já passou nos primeiros testes. Os efeitos colaterais foram menores.

Cansaço, diminuição de apetite sexual e dores de cabeça foram alguns dos sintomas sentidos pelos homens — e são os mesmos que muitas mulheres que tomam a pílula sentem

Pílula, dispositivo intra-uterino, implante, anel vaginal. Escolhas não faltam às mulheres que pretendem utilizar uma método contracetivo e hormonal. Mas e os homens? Além do preservativo, as escolhas são escassas.

Mas o caso pode estar a mudar de figura. Foi apresentada uma nova hipótese de contraceção masculina, de acordo com a apresentação do Biomedical Research Institute e a University of Washington, no encontro anual de Sociedade de Endocrinologia, que mostrou um estudo que tem vindo a ser realizado sobre um novo contracetivo, uma espécie de pílula para os homens — também é hormonal e ingerido via oral.

Christina Wang é a investigadora principal no LA BioMad e, citada pela “Time”, diz que este se trata de um passo importante na contraceção masculina. “Para pessoas do sexo feminino há muitos, muitos métodos. Há a pílula, há um implante, há o anel vaginal, há dispositivos intra-uterinos, injeções”, diz a investigadora, citada pela “Time”. “Nos homens não há nada como contracepção hormonal. O standard não é igual para os géneros.”

O meio contracetivo já passou nos testes iniciais, tendo gerado uma reação positiva, que produziu uma “resposta hormonal consistente e eficiente.”

Testado em 30 homens saudáveis, com idades entre os 18 e os 50 anos, eles ingeriram o comprimido — composto pela mistura de testosterona e uma versão sintética da progesterona, hormonal sexual feminina — ao longo de 28 dias consecutivos. Outros dez homens tomaram a versão placebo. Depois de monitorizarem a saúde, os investigadores analisaram os níveis hormonais, através de amostras de sangue que os elementos de estudo tiraram no início e fim do processo — a que se somam questionários sobre humor e função sexual.

Nesta primeira fase, aquilo que se pretendia explorar era a segurança do comprimido, somente do lado de quem o ingere. Ou seja, a ideia seria perceber se os homens aceitavam o contracetivo hormonal e que consequências é que sentiam.

Não houve efeitos secundários graves, contrariamente aos resultados do estudo que foi realizado em 2016 e que tinha também como objetivo desenvolver um contracetivo masculino. Desta vez, nenhum homem sentiu a necessidade de interromper a ingestão do comprimido, apesar de alguns terem reportado sintomas de cansaço, dores de cabeça, acne e diminuição de libido, os mesmos que são experienciados por muitas mulheres que tomam a pílula. Dois dos homens tiveram uma ligeira disfunção erétil no decorrer do processo.

A eficácia contracetiva ainda não está provada

Apesar de nesta fase da investigação a parte da contraceção não ter sido o foco, os testes ao sangue sugerem que o comprimido será capaz de suspender a produção de testosterona, pelo menos o suficiente para evitar uma gravidez e evitar os efeitos colaterais que poderiam nascer da diminuição da produção desta hormona sexual masculina.

“É uma pílula com duas ações hormonais”, disse a investigadora à mesma revista americana. ”Embora a produção de testosterona seja menor, o composto apoiará a função sexual, salvaguardará a massa muscular e todas as coisas boas que esta hormona masculina faz pelo corpo.”

Embora seja muito semelhante à pílula feminina, por juntar diferentes hormonas, este possível método contracetivo masculino futuro terá de ser tomado todos os dias para manter baixa a contagem de espermatozoides.

Apesar de resultados muito positivos, a investigadora ressalva a necessidade de se estudar mais — noutra fase, terão de se reunir milhares de casais que queiram testar o comprimido durante alguns anos para garantir que é, de facto, seguro e eficaz.

Há outro lado positivo na criação de uma contraceção masculina — obrigar os homens a ir ao médio. “Os homens vão ver o médico muito tarde. Não são tão complacentes como as mulheres. Trazendo homens ao médico, pelo menos uma vez por ano para uma consulta de rotina à contraceção, permite avaliar a pressão arterial e, por aí fora, tornando-os mais conscientes da sua saúde”, termina a investigadora.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]