Dois Dedos de Conserva. 6 produtos que tem de conhecer na nova mercearia gourmet de Alvalade

Tem 30 metros quadrados, recheados de produtos nacionais. Há conservas, vinhos, enchidos, biscoitos e muito mais.

É prestar atenção às prateleiras, porque nesta loja de Alvalade há muitas novidades

Não é em qualquer esquina que encontramos mel de framboesa ou mel de ouro. Também não é assim tão comum depararmo-nos com os vinhos da Quinta do Alcube, azeite de trufas, caviar de moscatel, geleia de cerveja, perdiz estufada em vinho do Porto, enchidos de veado, de javali ou ainda de porco preto. Mas há uma pequena loja, numa perpendicular à Avenida da Igreja, em Alvalade onde tudo isto existe e está à venda. E tinha mesmo de ser nesta zona de Lisboa: Francisco Centeno de Mendonça, 35, um dos novos proprietários, cresceu neste bairro. “Eu fiz a minha vida inteira aqui”, diz à MAGG.

Chama-se Dois Dedos de Conserva e, depois de entrar, é bem possível que sinta os efeitos da expressão original. É que é difícil não ficar curioso sobre uns quantos produtos que aqui se encontram. Francisco e Rita Sá Fernandes, 29, namorados e proprietários, estão dispostos a esclarecer. Vê-se, aliás, que o fazem com gosto. E se lhes apresentar novas ideias, melhor ainda.

Morada: Rua Acácio Paica, 6C, 1700-055, Lisboa

Contacto: 213950543/ 917921578

Horário: segunda-feira a sábado, das 11h às 20h

A hipótese de passarem a gerir esta loja e a mudar-lhe a localização (antes ficava na Lapa) aconteceu ao acaso. A Dois Dedos de Conserva pertencia a dois amigos, a quem surgiram oportunidades profissionais que implicavam ir para fora. Anunciaram que iam fechar o espaço. Rita e Francisco, como clientes mais assíduos, receberam a notícia com alguma tristeza e não foi preciso muito tempo para decidir que iam dar a volta à situação. “Fomos para casa a pensar no assunto e decidimos: vamos ficar com a loja, vamos fazer alguma coisa.”

Aqui há vinhos de pequenos produtores nacionais e que não encontra nas garrefeiras ou nos supermercados

E assim foi. O casal está agora à frente deste negócio — que está aberto em Alvalade desde 20 de fevereiro — apesar de manterem carreiras profissionais à parte. Ele tem a sua própria empresa, na área de transporte de passageiros, e ela trabalha num boutique hotel. O conceito desta mercearia gourmet — em que se continua a trabalhar com o que é português — mantém-se idêntico ao anterior, mas com algumas nuances, que se refletem num alargamento gradual e natural da oferta.

As conservas Naval, Cocagne, Berthe, Minerva ou Pescarias do Algarve, com barriga de atum, ovas de cavala, sardinha em tomate picante, salmão em azeite e alho, mexilhão em escabeche picante e tantas outras opções, estão todos dispostos numa das paredes da loja, mas a estes somam-se outros produtos, desde os chás, aos enchidos, biscoitos, geleias, compotas, caviares, azeites, vinagres, salicórnia, vinhos e licores.

Rita Sá Fernandes, 29, e Francisco Centeno de Mendonça, 35, são naturais de Lisboa e os proprietários da nova mercearia gourmet de Alvalade

“Descobrimos o fornecedor do nada, num mercado gourmet do Campo Pequeno, há duas semanas”, diz Francisco, referindo-se à salicórnia — uma planta que cresce em zonas com alto teor de sódio, funcionando como substituto natural do sal. É assim que as coisas se vão desenrolando: os proprietários vão acrescentando opções à loja através de diferentes contactos, seja de produtores, seja dos clientes mais interessados e entendidos, que lhes fazem diferentes sugestões.

Também foi assim que o doce de figo chegou à Dois Dedos de Conserva. “Conhecemos uma senhora de Trás-os-Montes. Disse-nos logo que quando acabasse o figo, acabava o doce de figo”, contam.

Por cá também encontrará caviar de vinho do Porto

A garrafeira também merece especial destaque, até porque as opções são todas nacionais e pouco comuns. A oferta que herdaram da antiga loja concentrava-se em produtos da Península de Setúbal e continua a ter uma presença forte naquelas prateleiras, seja na forma de vinho ou de licores — têm, por exemplo, três moscateis desta região. Mas também se alargou: “Convidámos um amigo, que é francamente entendido em vinhos, para nos ajudar a manter e a evoluir na garrafeira, e decidimos correr o País todo”, explica Francisco. Mas aqui não encontra as mesmas garrafas que vê nos sítios com ofertas muito vastas. “Não conseguimos concorrer com eles, portanto escolhemos, de forma quase cirúrgica, projetos muito pequenos, de produtores que não têm capacidade para fornecer nem as garrafeiras grandes, nem a distribuição normal [supermercados].”

Mas vamos mais fundo. Com a ajuda dos proprietários, a MAGG juntou seis produtos que tem mesmo de conhecer da nova mercearia gourmet de Alvalade.

Geleia de pimenta Bela Cozinha (9,8€)

“É, na verdade, uma geleia de maçã com malagueta. É excecional, tanto que cada vez que está à provas vendemos desalmadamente — pomos sempre o queijo com a geleia e é assim um fenómeno. Já era vendido com os antigos donos. É da marca Bela Cozinha.”

Perdizes em escabeche Bela Cozinha (23€)

“A marca Bela Cozinha também tem as perdizes de escabeche. Hoje em dia as perdizes, além de serem raras, são caras — normalmente quem tem acesso são as pessoas que caçam. Estas perdizes são ótimas, estão prontas a comer, praticamente desossadas — só os ossos das pernas é que não foram tirados. São muito muito boas. A minha mãe faz perdizes e aprovou. Além de escabeche, temos também estufadas em vinho do Porto, que também voam das prateleiras.”

Barriga de atum Pescarias do Algarve (8,2€)

“São uns lombinhos cor-de-rosa, que parecem manteiga, que se desfazem na boca. Nós já provámos de outras marcas, mas gostamos muito desta da Pescarias do Algarve. É simples, com um sabor muito suave — por isso é que quando alguém quer levar uma, aconselhamos a começar por esta.”

Filetes de salmão com alho e azeite Minerva (9,7€)

“Têm alho e azeite — e qualquer português gosta. São as que mais saem e são realmente as melhores da loja.”

Azeite Especial Reserva 9.º Sentido (16,9€)

“Foi considerado o melhor azeite do mundo em 2016, num concurso em Nova Iorque, onde recebeu uma medalha de ouro. O azeite com que a marca trabalha originalmente é este, o Especial Reserva, mas depois desenvolveram um método para aromatizar — então criaram também o para saladas, o para o peixe, e depois, teve tantos pedidos, que criou uma variação com trufas, que penso que será o único em Portugal.”

Vinhos Quinta do Alcube (9,9€ — 19,9€)

“Fizemos uma aposta maior na Quinta de Alcube que, embora seja perto de Lisboa, não tem distribuição em Lisboa. Trabalhamos com a gama toda deles e tentamos tê-la toda em stock. Há muita gente que conhece a quinta — até porque eles fazem lá eventos e têm um turismo rural — mas que não sabe onde comprar os vinhos. Tem sido uma surpresa boa para essas pessoas, saberem que em Lisboa há um sítio onde comprar. Os vinhos são ótimos, desde a entrada de gama até ao último reserva. Têm todos uma qualidade excecional, assim como uma ótima relação qualidade preço.”

Texto de Ana Luísa Bernardino, fotografia de Samuel Costa.
Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]