Lisboa. Os projetos mais surpreendentes do Orçamento Participativo

Já pode escolher entre circuitos de arborismo, desfibrilhadores na ruas ou QR codes nas placas de toponímia.

Os projetos estão em votação até 28 de abril

Unsplash

Já estão abertas as votações para o Orçamento Participativo de Lisboa. Para o 11.º ciclo desta iniciativa foram submetidos 563 propostas, das quais resultaram 122 projetos que estão agora em votação. Até 28 de abril, pode votar nos seus dois favoritos.

Para além dos habituais pedidos de requalificação de passeios, estradas, escolas ou de outros equipamentos urbanos, há alguns projetos que pautam pela originalidade das propostas que trazem a votação.

Com um orçamento total de 2,5 milhões de euros, as verbas serão repartidas entre projetos que sejam transversais à cidade — que poderão financiar projetos com até um valor total de 1,5 milhões de euros — e projetos locais, destinados a um das cinco zonas da cidade — com um valor total de um milhão de euros.

Conheça os mais surpreendentes.

1. Desfibrilhadores espalhados pela cidade

Um dos projetos mais interessantes a concurso é o do projeto 111 que propõe a instalação de uma rede de desfibrilhadores nos locais mais movimentados na cidade de Lisboa para agilizar o socorro de vítimas em caso de paragem cardiorrespiratória.

2. Sirenes de alerta

Mas este não é o único projeto a concurso na área do socorro. O projeto 66 propõe uma rede de instalação de sirenes para alertar os cidadãos em caso de perigo de tsunami na zona ribeirinha.

3. Um parque infantil para adolescentes

Sendo a requalificação de jardins e parques infantis algo muito importante para os cidadãos lisboetas, muitas foram as propostas elaboradas neste domínio. No entanto, várias foram as sugestões que se destacaram pela originalidade como o projeto 7, que sugere a criação de um parque multiusos para jovens entre os 12 e os 16 anos. A ideia é que seja semelhante a um parque infantil mas adaptado para o tamanho e peso desta faixa etária.

4. Arborismo

o projeto 23 propõe a criação de um circuito de arborismo contínuo no parque Silva Porto, que tem como objetivo não só promover o turismo de aventura em plena cidade de Lisboa, como propõe ainda uma maneira alternativa de reabilitar este parque.

5. Um parque para estimular os nervos dos pés

O projeto 2 sugere que sejam criados parques com diferentes texturas e materiais para estimular o bom funcionamento dos nervos dos pés, tal como já existe no Japão.

6. QR Codes em placas de toponímia

Muitos foram também os projetos apresentados que estão relacionados com a preservação histórica da cidade, como por exemplo através da colocação de QR Codes em placas de toponímia, como propõe o projeto 9.

Cada cidadão poderá votar em dois projetos, um de âmbito local e outro de âmbito transversal, através do registo no site Lisboa Participa ou do envio de uma SMS gratuita para o número 4310, se estiver em Portugal, ou para 00351 927 904 200, se estiver no estrangeiro. Deve indicar apenas o número do projeto em que pretende votar. Em alternativa, poderá ainda exercer o direito de voto em sessões de apoio ao voto presenciais.

Atualmente no seu 11º ciclo, o Orçamento Participativo já financiou 120 projetos, estando já 65 concluídos. Foi graças a este programa que foram já financiados projetos tão diferentes como a instalação de calhas para bicicletas em escadas, foi criado um centro de desenvolvimento socio-económico e cultural na Mouraria ou foram administrados workshops sobre a história e a evolução da arte urbana junto da população idosa da cidade de Lisboa.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]