Há muito que a indústria alimentar é acusada de ser responsável por uma grande parte da emissão de gases prejudiciais ao meio ambiente. E uma das soluções avançadas é a redução de carnes vermelhas e um maior consumo de frutas e verduras. No entanto, há quem procure outras soluções mais amigas do ambiente e mais sustentáveis.

O Relatório dos 50 Alimentos do Futuro, elaborado pela marca alemã Knorr em parceria com o Fundo Mundial para a Natureza, propõe 50 alimentos que ajudam as pessoas a serem mais saudáveis e que possuem um menor impacto no meio ambiente comparativamente aos alimentos de origem animal.

Entre alimentos mais apreciados para a maioria, há também aqueles que podem parecer mais estranhos ao paladar. Algas, feijões e outras leguminosas (como favas, lentilhas), soja, catos, cereais e grãos, fruta e vegetais, cogumelos, nozes e sementes, vegetais de raiz, tubérculos (como a batata) são algumas das 50 sugestões.

Receitas. 5 marmitas saudáveis para levar para o escritório

“A maioria de nós pode acreditar que é a nossa energia ou as escolhas de transporte que provocam os problemas ambientais mais sérios. Na verdade, é o nosso sistema alimentar que gera um maior impacto”, disse Tony Juniper, diretor executivo de defesa do Fundo Mundial para a Natureza, ao jornal britânico “The Telegraph“.

O documento refere que os seres humanos estão a tornar-se “excessivamente dependentes de uma pequena variedade de alimentos”, o que provoca impactos negativos na nossa saúde e na do planeta. “75% da oferta global de alimentos vem de apenas 12 plantas e cinco espécies de animais. Apenas três (arroz, milho, trigo) compõem quase 60% das calorias de plantas em toda a dieta humana. Isto exclui muitas fontes de nutrição”, pode ler-se no documento.

Mesmo com toda a onda de comida saudável, estamos cada vez mais gordos. Há explicação?

A dependência de fontes proteicas de origem animal sobrecarrega o nosso meio ambiente e as práticas agrícolas atuais não são sustentáveis ​​a longo prazo. A agricultura é responsável por cerca de um quarto de todas as emissões de gases de efeito estufa, dos quais aproximadamente 60% são devido à agricultura animal.”

Segundo o relatório, ancorado em dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, existem entre 20 a 50 mil espécies de plantas comestíveis, das quais apenas 150 a 200 são regularmente consumidos por seres humanos.

1. Alga vermelha
2. Alga wakame
3. Feijão Adzuki
4. Feijão Preto
5. Favas
6. Amendoim de bambara/feijão de bambara
7. Feijão Frade
8. Lentilhas
9. Feijão Marama
10. Feijões Mungo
11. Soja
12. Cato Nopal
13. Amaranto
14. Trigo-sarraceno
15. Milheto
16. Fónio
17. Trigo Khorasan
18. Quinoa
19. Espelta
20. Grão Teff
21. Arroz Selvagem
22. Flores de abóbora
23. Quiabo
24. Tomate Laranja
25. Beterraba
26. Brócolos de Rabe
27. Couve
28. Moringa
29. Repolho chinês
30. Folhas de abóbora
31. Repolho vermelho
32. Espinafre
33. Agrião
34. Cogumelos Enoki
35. Cogumelos Maitake
36. Cogumelos de tampa de leite de açafrão
37. Sementes de linhaça
38. Sementes de cânhamo
39. Sementes de sésamo
40. Nozes
41. Escorcioneira
42. Salsa
43. Rabanete branco
44. Rebentos de alfafa
45. Feijão germinado
46. Grão de bico germinado
47. Raiz de Lótus
48. Inhame roxo
49. Jicama
50. Batata-doce avermelhada