Nudez, pés descalços e muito frio. Assim foi a estreia de “Começar do Zero”

A nova experiência social da TVI em formato de programa estreou este domingo, 17 de março. Conheça os participantes e tudo o que aconteceu.

O momento em que Júlio enrolou o tapete de casa à volta da cintura para sair à rua

TVI

Começou por receber o título de “O Contentor” mas, pouco tempo antes da estreia, a TVI decidiu mudar o nome para “Começar do Zero”. A premissa é que não sofreu alterações: no novo programa da estação, que chegou este domingo, 17 de março, os concorrentes estão completamente nus, e todos os seus bens foram guardados num contentor selado, que só pode ser acedido depois de completarem vários desafios.

Segundo a TVI, a ideia passa por obrigar os participantes a viver um estilo de vida menos materialista. Mas isso implica terem de passar por várias situações desconfortáveis e constrangedoras. É que apesar de estarem nus, os concorrentes têm de continuar a sair de casa para trabalhar, ir à escola ou fazer as compras para a casa — que ficou totalmente vazia.

Sem roupa ou qualquer tipo de adereços, é preciso usar a imaginação e pensar nas mais variadas formas de cobrir a nudez antes de saírem à rua. Desde folhas a pedaços de cartão, tudo foi válido no formato original — e na versão portuguesa não foi muito diferente.

A estreia de “Começar do Zero” começou com a explicação de que existem cerca de 45 mil objetos acumulados nas nossas casas. Será que precisamos de todos eles? Foi essa pergunta que o desafio, que teve a duração de dez dias, procurou responder.

Contamos-lhe tudo sobre a estreia do novo programa da TVI.

Quem são os participantes?

Marta e Mariana, Lisboa

Marta e Mariana são gémeas e decidiriam participar no programa para voltarem a estar mais próximas uma da outra

Marta e Mariana, ambas de 27 anos e residentes em Lisboa, são irmãs gémeas e decidiram aceitar o desafio por sentirem uma desconexão entre as duas. Apesar de viverem na mesma casa, e até fazerem grande parte das refeições juntas, são mais as vezes que estão ao telemóvel do que a conversar. Em conjunto, passam mais de 17 horas ao telefone, seja a responder mensagens ou a navegar nas redes sociais.

Depois de se despirem, o maior inimigo foi o frio. Mas Marta foi talvez a que mais se mostrou perturbada com a exposição, muito devido aos complexos que sentia em relação ao seu corpo.

Nos primeiros momentos do programa, as duas saíram do apartamento e roubaram os tapetes às vizinhas do prédio para se taparem parcialmente.

Segundo as regras do formato, é possível pedir ajuda a pessoas externas ao desafio mas todos os objetos que sejam oferecidos aos participantes têm sempre de ficar à porta de casa. Aproveitando isso mesmo, e considerando que Mariana tinha de ir trabalhar, pediram a uma vizinha que as ajudasse com algumas peças de roupa. Conseguiram meias e duas camisas.

Depois disso, Marta e Mariana entraram na primeira loja e pediram ajuda a um funcionário que não só as expulsou como exigiu à produção da TVI que parasse de gravar. No restaurante mais próximo conseguiram um avental para tapar a cintura, mas o desconforto de andar apenas de meias no chão sujo da calçada era difícil de esquecer.

Mas a noite foi o momento mais difícil para Marta. Além de a passar sozinha, já que Mariana estava a trabalhar, não tinha nada que a cobrisse do frio ou que pudesse colocar entre si e o chão duro da madeira do quarto. No total foram retirados 4.433 objetos dentro do apartamento das gémeas. 

Júlio e Alice, Braga

Alice e Júlio querem mostrar como é possível viver uma vida menos materialista

Júlio, 43 anos, é casado com Alice, 41, há 20 anos. Enquanto ele é doméstico por opção, ela é secretária. Têm dois filhos. Segundo contaram no programa, aceitaram o desafio com o objetivo de mostrar aos filhos que é possível viver uma vida menos materialista. Consideram-se uma família normal que quer provar que é possível viver sem as coisas supérfluas.

Da casa do casal foram retirados 10.436 objetos, entre televisões, roupa, eletrodomésticos ou livros, mas ambos dizem precisar de tudo aquilo que tinham acumulado. No entanto, Alice revelou ter muita roupa de quando era solteira que, apesar de já não usar, tinha pena de deitar fora.

Depois de se despirem e verem a casa completamente vazia, o receio dos dois estava em conseguir dormir no chão. Mas Júlio foi quem mais sofreu, precisamente por ter várias dores nas costas que só pioraram com a primeira noite em “Começar do Zero”. Já Alice achou que iria sentir muita falta de um bom banho ou de poder lavar os dentes todas as manhãs.

Depois de serem obrigados a entregar todas as roupas que tinham vestidas, Júlio construiu uma espécie de abrigo com prateleiras e gavetas que tinha em casa para deixar a mulher mais à vontade. Alice recusava-se a expor o corpo perante as câmaras e permaneceu grande parte do episódio escondida no armário ou no abrigo construído pelo marido.

Como cama, usaram a embalagem da pizza que tinham encomendado momentos antes mas era muito difícil adormecer naquelas condições.

Na primeira ida ao contentor, depois de terem conseguido aguentar a primeira noite, escolheram dois pijamas completos por considerarem que o mais difícil tinha sido lidar com o frio.

David, Tiago e Rui, Montijo

Rui, David e João são os três amigos militares que dizem estar prontos para qualquer desafio

David, 26 anos, é gerente de ginásio, foi militar e diz que foi ensinado e preparado desde muito cedo para saber liderar. Neste desafio, viu-se acompanhado por dois amigos: Tiago, 26, e Rui, 37, também eles militares.

Quando confrontados com a casa vazia e sem roupa, revelaram que o desapego nunca foi fácil para ninguém mas que era uma boa forma de cresceram em conjunto.

Da casa de David foram retirados 3.867 objetos e cerca de 47 suplementos alimentares. Rui, um dos amigos próximos, diz que à medida que a casa ia sendo esvaziada, aquilo que mais pensava era na dureza do chão e do frio que ia sentir ao estar sem roupa.

Já nus, os três foram à procura de qualquer tipo de roupa que pudessem encontrar na lixeira que existia perto de casa. Os pés descalços estiveram em contacto com lama, lixo e ervas e todo o tipo de objetos que por lá se encontravam. Para celebrar a vitória, fizeram várias sessões de flexões em conjunto. Tudo isto, claro, estando completamente nus.

No final, os três conseguiram encontrar lenha para acender a lareira de casa e sapatos, mas desconhece-se para já que objetos retiraram do contentor depois da primeira noite.

Andreia e Renato, Fátima

Andreia que mostrar ao filho como é viver uma vida menos consumista. Renato quer levar dicas para casa, na Madeira, sobre com o evitar o materialismo

Andreia, 22 anos, e Renato, 33, são amigos há muitos anos e ambos quiseram experimentar este novo desafio em conjunto porque, segundo revelaram, lhes vai permitir conhecerem-se melhor enquanto pessoas. Renato, natural da Madeira, diz que espera regressar a casa com novas e boas dicas sobre como viver uma vida menos consumista e materialista.

Já Andreia, natural de Fátima e mãe de um filho desde os 18 anos, diz que quer ensinar a Afonso a importância de se viver uma vida menos materialista e consumista. Segundo conta, terá sido esse o principal objetivo para participar no programa já que, desde que foi mãe, tem vindo a ganhar uma maior noção de responsabilidade.

Ao contrário dos outros participantes, Andreia admitiu desde logo que comprava muitos produtos que já sabia que nunca iria usar, sendo esse um dos aspetos que pretende melhorar com esta nova experiência social.

No total, de sua casa foram retirados cerca de 312 produtos de beleza entre os cerca de quatro mil objetos acumulados.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]