“Quem Quer Casar Com o Meu Filho” não é só uma merda. É uma merda preocupante

O novo formato da TVI é um retrocesso civilizacional, uma vergonha para todas as mulheres e para nós, enquanto sociedade. É muito triste.

Podia começar por tentar fazer uma crítica mais técnica a “Quem Quer Casar Com o Meu Filho”, o programa que estreou este domingo à noite na TVI, mas se calhar a coisa resume-se com uma expressão simples, popular e que toda a gente entende: o programa é uma merda. O maior problema desta definição é que poderá não ser suficiente para explicar o novo formato da TVI, porque — e é verdade — merda em televisão há muita, é o que mais há, até. Mas esta é uma merda diferente, porque não é inocente, é uma merda perigosa e preocupante. Esta é uma merda daquela mesmo muito merdosa, que nos faz pensar no que é que andamos mesmo a fazer nesta sociedade. É uma merda que nos deixa a pensar que ainda há dois dias celebrávamos o Dia da Mulher, enchíamos as redes sociais de mensagens de luta pela igualdade de género, de luta pela mudança de mentalidades, de luta por uma sociedade mais civilizada, e agora vemos em horário nobre de um dos canais mais vistos da televisão um programa que promove tudo o que está errado, que promove a mulher-objeto-sexual, a mulher-fútil, a mulher-criada, a mulher-estúpida, a mulher-dependente, a mulher-submissa. Está tudo, tudo, tudo errado em “Quem Quer Casar Com o Meu Filho”. Tudo.

Bom, agora que já disparei tudo o que me estava a corroer cá dentro, vou-me acalmar cinco minutos e já volto.

(cinco minutos depois)

Pronto, já está. Voltei.

Bom, vamos lá começar por explicar melhor o que se passa neste “Quem Quer Casar Com o Meu Filho”. O programa tem um formato simples: cinco mães procuram arranjar noivas para se casarem com os filhos. Para isso, ajudam-nos a entrevistar várias candidatas. Logo aqui, começa o pesadelo, o regresso ao passado, para aí a 1952, em que o homem, lá no pedestal, olha cá para baixo onde estão as pequenas, desesperadas por encontrar o príncipe encantado. Pior: ao lado do homem, lá no pedestal, e também a olhar de cima para baixo, está outra mulher, a mãe dele, a candidata a sogra. Quase todas mostraram ser tão ou mais machistas do que os filhos, as primeiras a julgar as “candidatas” pelo aspeto físico, por não saberem cozinhar ou tratar da casa, por já terem filhos, por usarem tatuagens. Mulheres, portanto, a julgarem outras mulheres por coisas deste género. E isto é só o problema número 1. Mas há mais, muito mais.

Vamos às “candidatas”. As mulheres que resolveram participar neste formato são as primeiras a não respeitar a condição de mulher, pelo menos de mulher dos dias de hoje. Sujeitarem-se a este tipo de julgamento, a serem avaliadas com base em perguntas idiotas, feitas por mãe e filho preconceituosos, com mentalidades trogloditas, diz também muito de quem aceitou participar neste programa. A procura pela fama, os tais 5 minutos, ou 15, ou um mês, faz com que se deixe cair na lama a dignidade.

Ouvir uma mulher, mãe, dizer que o que valoriza numa candidata a nora é o facto de ter “uns dentes branquinhos”, “umas maminhas mais ou menos” e um bom “rabinho, assim que se veja” podia ser anedótico, podia levar-nos a dar umas gargalhadas, se não fosse profundamente triste, deprimente, degradante para a condição da mulher. Estamos em 2019. 2-0-1-9. Ouvir uma mulher, mãe, dizer que se uma candidata a nora não sabe cozinhar, então, “estamos mal”, porque o seu menino “de ouro” (são sempre, não é?) é um menino “de muito alimento” dá vontade de agarrar no jovem e espetar com ele na cozinha para ver se aprende sozinho a mexer um ovo.

O mais decadente deste formato é mesmo aquele rol de entrevistas feitas pelo duo mãe-filho às potenciais noivas. Mulheres sentam-se num sofá em frente ao homem e são avaliadas em primeiro lugar pelo aspeto físico, depois por perguntas como “sabe cozinhar?”, “tem filhos?”, “que idade tem?”, “fuma?”. Cada uma das questões promove uma discriminação diferente. Não sabe cozinhar? Mulher que não sabe cozinhar não é merecedora deste homem, que precisa que alguém o faça por ele. Tem filhos? Lamentamos, mas mulheres com filhos não merecem uma segunda oportunidade, e não servem para este menino de ouro. Que idade tem? Nãããã, muito velha para ele, nããã, muito nova para ele. Fuma? A sério? Mulher que fuma? Fora! Pior: candidatas que ousaram aparecer nas “entrevistas” com tatuagens. Tatuagens, mulheres com tatuagens. Os olhares das mães gritavam “Puta” só de as ver.

A 10 de março, um dos canais de televisão mais vistos em Portugal passou este programa durante quase duas horas em horário nobre. Dois dias depois do Dia da Mulher. Não estamos a conseguir, pois não? Isto não está a resultar, pois não? Como é que se chega lá? Não sei, não sei mesmo.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]