Homem condenado a prisão perpétua por envenenar comida dos colegas de trabalho

Em casa do arguido foi encontrado um "laboratório químico primitivo" e uma substância altamente perigosa. As vítimas sofreram graves lesões.

O autor do crime, identificado apenas como Klaus O., foi condenado por tentativa de homicídio agravado e por outras nove acusações

Associated Press

O caso aconteceu na Alemanha. Ao longo de vários anos, um homem envenenou as sandes de colegas de profissão com mercúrio, chumbo e outras substâncias. De acordo com o jornal britânico “The Guardian”, as vítimas ficaram com vários problemas de saúde. Um deles ficou em coma depois de sofrer danos cerebrais permanentes e outros dois, de 27 e 67 anos, contraíram problemas renais crónicos. Ambos enfrentam agora um elevado risco de cancro.

O caso foi julgado pelo tribunal regional de Bielefeld, perto de Berlim, na passada quinta-feira, 7 de março. O juiz deu como culpado o autor do crime, identificado apenas como Klaus O., de 57 anos, por tentativa de homicídio agravado e nove outras acusações e aplicou-lhe a pena máxima prevista na lei alemã: prisão perpétua. Segundo o “The Guardian”, os advogados tencionam recorrer da sentença.

Klaus O. foi preso a 16 de maio do ano passado depois de ter sido visto em imagens de videovigilância. O homem aparecia a colocar um pó suspeito na sandes de um colega de trabalho numa empresa, sediada na cidade de Schloss Holte-Stukenbrock.

Numa revista realizada à casa do réu, as autoridades encontraram um “laboratório químico primitivo” e uma substância que foi descrita pelo juiz como sendo a “mais perigosa do que todas as substâncias de combate usadas ​​na Segunda Guerra Mundial.”

O culpado recusou prestar declarações em tribunal e as causas para o ter feito continuam desconhecidas. De acordo com o jornal norte-americano “The New York Times”, a lei alemã prevê que, nas condenações de prisão perpétua, os presidiários possam sair em liberdade condicional ao fim de 15 anos.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]