A PSP reforça meios de vigilância digitais por causa do fenómeno Momo

Apesar de não se registarem, para já, casos de violência em Portugal, as autoridades garantem que estão muito atentas ao fenómeno.

A Momo é uma figura assustadora que manipula e alegadamente leva crianças ao suicídio

O primeiro caso terá acontecido em Buenos Aires, na Argentina. Uma criança de 12 anos enforcou-se numa árvore, depois de ter trocado mensagens suspeitas com um destinatário desconhecido que a terá encorajado a tirar a sua própria vida. Desde então que a figura da Momo, uma menina assustadora e desfigurada, se tornou num dos assuntos mais comentados um pouco por todo o mundo.

Apesar de ser baseada numa escultura japonesa, que esteve em exposição em 2016, a verdade é que tem sido utilizada como o novo jogo de internet onde crianças são desafiadas a entrarem em vários jogos que, no final, culminam sempre da mesma forma — o suicídio.

Enquanto várias crianças dizem já ter estado em contacto com a Momo, especialistas dizem que a figura não existe e que tudo não passou de um boato. Seja como for, são várias as entidades em alerta e, em Portugal, a Polícia de Segurança Pública (PSP) já reagiu e recomenda atenção para os perigos da Momo na internet.

Foi no “Primeiro Jornal” de sábado, 1 de março, na SIC Notícias, que o comissário da PSP João Moura explicou que a Momo se trata de uma figura “assustadora para os mais jovens, capaz de os coagir e manipular psicologicamente através do WhatsApp para os levar a fazer um conjunto de desafios perigosos para a sua integridade física que, no limite, levam ao suicídio.”

Apesar de a PSP não registar, para já, casos de violência e mortes como consequência de um contacto com a Momo, explica que como ocorreu em França, é preciso manter um estado de alerta constante — principalmente devido à facilidade de acesso dos mais jovens ao meio digital.

“Hoje em dia, com o mundo digital, uma ameaça em Inglaterra, nos Estados Unidos ou na Nova Zelândia é uma ameaça em Portugal”, diz o comissário, lembrando que o alerta já foi dado a várias entidades para reforçar a vigilância.

Também a PSP reforçou os meios disponíveis para acompanhar de perto o fenómeno nas redes sociais ou em outras plataformas digitais de contacto entre várias pessoas — como salas de chat ou de videojogos online.

A figura da Momo voltou a ser comentada depois de, nas últimas semanas, surgirem os primeiros relatos de crianças portuguesas que dizem ter visto e falado com a figura assustadora que já causou a morte de várias pessoas.

Segundo João Moura, a explicação pode basear-se no facto de o assunto se ter tornado tão viral que levou a que pessoas tentassem brincar com o fenómeno. “Denota-se um efeito bola de neve. Seja por brincadeira ou por mimetismo, começam a aparecer seguidores deste fenómeno que ameaçam e coagem os mais sensíveis”, explica João Moura.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]