Ator de “O Padrinho” afirma que Marilyn Monroe foi assassinada

Gianni Russo culpa Bobby Kennedy, e diz que o irmão de JFK planeou a morte da atriz, para que esta nunca falasse da relação com os Kennedys.

Marilyn Monroe morreu a 5 de agosto de 1962

IMDB

Apesar de a morte de Marilyn Monroe ter sido declarada como uma overdose de barbitúricos, o falecimento de uma das maiores estrelas de Hollywood sempre esteve rodeado de algum mistério. Agora, o ator Gianni Russo, mais conhecido pelo seu desempenho como Carlo Rizzi no filme “O Padrinho”, vem a público afirmar que a atriz foi assassinada.

Gianni Russo, que alega ter tido um caso esporádico com a atriz, que terá começado quando este tinha 16 anos e Marilyn Monroe tinha 33, afirma que a estrela foi mandada matar por Robert Kennedy, para que esta nunca viesse a público falar acerca do seu envolvimento com John F. Kennedy e com o próprio Bobby Kennedy.

“Teve de ser o Bobby. Mais ninguém a mataria. A máfia não o teria feito, eles gostavam dela. Era a rapariga das festas. Dêem-lhe uns comprimidos, umas bebidas e ela lixa toda a gente”, afirmou o ator de 75 anos ao “New York Post”.

O ator de “O Padrinho” possui uma fotografia com Marilyn Monroe apenas três dias antes da sua morte, a 5 de agosto de 1962, tirada num resort na fronteira entre os estados da Califórnia e do Nevada. Segundo Gianni Russo, a morte da atriz foi pouco depois desse encontro no resort devido a Marilyn Monroe ter descoberto planos da máfia para chantagear JFK, o presidente dos Estados Unidos, na época.

Tal como relata no seu livro de memórias, “Hollywood Godfather”Gianni Russo explica que existia um plano para filmar Marilyn Monroe a ter sexo a três com Robert Kennedy e John F. Kennedy nesse mesmo resort. O intuito era gravar os três, e conseguir que o presidente dos Estados Unidos acedesse a pedidos da máfia para invadir Cuba e devolver a gestão dos casino ao crime organizado.

O plano nunca foi avante pois JFK nunca apareceu no hotel mas, alegadamente, a atriz descobriu tudo e ameaçou contar à imprensa. Segundo Gianni Russo, Robert Kennedy soube das intenções de Marilyn Monroe e planeou a morte dela, para que nunca nada se soubesse.

“Um homem apelidado de ‘Médico’, que fez vários assassinatos para a máfia, injetou ar numa veia perto da zona púbica da Marilyn. Ela morreu na consequência de um embolismo, mas foi feito para parecer uma overdose de drogas”, afirma Gianni Russo.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]