“Making a Murderer”. Os casos de sucesso da advogada que quer salvar Steven Avery

Falsificação de provas, abuso de poder e coação policial. Zellner descobriu estas e outras lacunas em casos policiais norte-americanos.

A advogada descobriu o caso de Steven Avery ao assistir à primeira temporada da famosa série da Netflix

Getty Images

Soube-se esta quarta-feira, 27 de fevereiro, que Steven Avery, protagonista da série documental da Netflix “Making a Murderer”, viu o seu caso ser reaberto depois de oito anos a tentar provar a sua inocência. Numa altura em que já estavam esgotadas todas as hipóteses de um novo julgamento, uma lacuna na análise de umas ossadas dá uma nova hipótese ao norte-americano de 56 anos.

Isto só aconteceu graças a uma pessoa: Kathleen Zellner. Conhecida por conseguir o impossível em casos criminais de pessoas acusadas injustamente, a advogada de 61 anos interessou-se pela história depois de assistir à primeira temporada da série da Netflix. Na segunda, a mulher responsável pela exoneração de 19 homens inocentes garante que não tem dúvidas da inocência do seu cliente. Até porque, como diz na série, só defende pessoas que estejam a cumprir pena injustamente.

“Se alguém me contratar e for culpado, acredite em mim — vou fazer um trabalho melhor do que os procuradores. Eu vou descobrir se ele é culpado.”

“É a melhor advogada que alguma vez vi”, disse Steven Avery na segunda temporada de “Making a Murder”. A propósito da nova hipótese de libertação de Avery, a MAGG recorda 4 casos impressionantes de Kathleen Zellner. Com o seu esforço e dedicação, estes homens conseguiram provar que tinham sido presos injustamente e recuperar a sua liberdade.

1. O caso que levou Kathleen Zellner a defender Steven Avery

Kathleen Zellner e Ryan Ferguson em 2015

Monica Schipper / Getty Images

Ryan Ferguson tinha 17 anos quando foi acusado de espancar e matar o jornalista desportivo Kent Heitholt, no Halloween de 2001. A acusação surgiu de um falso testemunho de um amigo de Ryan, que alegou ter estado com ele numa festa na noite do assassinato, e através de depoimentos feitos por um funcionário do prédio onde o jornal estava sediado. Ferguson foi condenado quatro anos depois, no outono de 2005, a 40 anos de prisão.

Oito anos depois, a história transformou-se. Seis ex-polícias da cidade de Columbia, na Carolina do Norte, local onde ocorreu o crime, foram responsabilizados por violar os direitos cívicos de Ryan, fabricando provas falsas, contaminando e negligenciando aquelas que existiam e coagindo pessoas a falsificar testemunhos. A resolução do caso, levada a cabo por Kathleen Zellner, fez com que Ferguson fosse libertado, em 2013, e ainda recebesse mais de oito milhões de euros pelos danos causados.

Mais tarde, a história de Ryan Ferguson voltaria a revelar-se fundamental na carreira da advogada. Isto porque foi o próprio que incentivou Zellner a assistir “Making a Murderer”, por considerar que a história descrita na série da Netflix tinha muitas semelhanças com o seu caso.

2. Pressão policial resulta em falsa confissão

Jerry Hobbs recebeu uma indemnização milionária

O assassinato de Laura Hobbs, de 8 anos, e Krystal Tobias, de 9, foi manchete nos jornais norte-americanos quando a polícia acusou o pai de Laura, Jerry Hobbs, depois de este ter encontrado o corpo das meninas num parque no condado de Lake, no início de 2005.

Na época, foram encontrados vestígios de ADN, nomeadamente sémen, junto do corpo das crianças, que a polícia responsável pela investigação associou a Jerry Hobbs. Esta conexão foi suficiente para prender o homem, que, devido à pressão das autoridades, confessou o crime passadas 24 horas.

Hobbs esteve preso durante cinco anos até que surgiram relatórios que comprovavam que as evidências não pertenciam ao, até à época, acusado. Kathleen Zellner resolveu o caso, que foi noticiado pelos jornais locais como a maior indeminização por questões de justiça na zona de Lake County – depois de 66 meses de prisão, Hobbs recebeu uma indeminização de mais de 6 milhões de euros.

O caso das jovens Laura e Krystal só ficou formalmente resolvido o ano passado, depois de Jorge Torrez, de 30 anos, ter confessado o crime. O homem, que à data do assassinato tinha 16 anos, era amigo do irmão mais velho de Krystal.

3. Pai acusado de raptar e abusar sexualmente da filha de 6 anos

Kevin Fox foi acusado de assassinar a filha

No relatório policial do assassinato de Riley, a descrição da cena do crime era brutal. A criança de 6 anos tinha sido amarrada com fita adesiva e abusada sexualmente antes de ser morta por afogamento. Tudo isto teria acontecido em 2004 depois de um rapto dentro da própria casa, enquanto dormia, em Wilmington, nos Estados Unidos. O próprio pai, Kevin Fox, era apontado como responsável.

Este foi mais um caso em que a pressão policial coagiu um suspeito. No início da investigação ainda foi colocada a hipótese de o crime ter sido cometido por um predador sexual, mas a acusação rapidamente deitou abaixo essa possibilidade, acabando por condenar Fox em 2004.

No entanto, e depois de uma análise atenta de Kathleen Zellner ao caso, rapidamente se percebeu que existiam várias provas que não tinham sido analisadas. Uma delas, e que se mostrou posteriormente ser a mais importante, foi um par de sapatos encontrado no local do crime que tinham o nome “Eby”, escrito na língua. Scott Wayne Eby era o nome do culpado.

Com o reanalisar das provas, Eby acabou por confessar o crime. Para uma maior consistência de provas da acusação contribuíram ainda alguns vestígios de ADN encontrados. Na época, Scott já se encontrava na prisão, onde respondia por crimes de violação sexual.

No ano de 2005, Kevin Fox foi libertado e cinco anos depois recebeu uma indeminização no valor de sete milhões de euros.

4. Frustração policial leva a falsificação de provas

Lori Roscetti estudava medicina na cidade de Chicago quando foi raptada, violada e assassinada em 1986. O caso teve desde o início contornos pouco claros, dificultando o trabalho dos agentes de investigação. Frustrados pela incapacidade de resolver o caso, o departamento policial responsável pelo crime, em conjunto com os laboratórios criminais, apresentou falsas provas, conspirou e coagiu confissões acabando por conseguir acusar Omar Sanders e Calvin e Larry Ollins.

Apercebendo-se da fragilidade da acusação, Kathleen Zellner investigou e conseguiu encontrar a falha que precisava para deitar abaixo o veredito do juiz. O ADN de cabelo encontrado ao pé do corpo da vitima foi novamente analisado, e não correspondia a nenhum dos acusados.

Em 2002 o caso foi oficialmente ganho por Zellner e os três homens foram libertados.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]