Hieroglíficos, esfinges e esculturas. Novas descobertas no Egito têm 3 mil anos

Uma equipa de arqueólogos encontrou uma oficina abandonada. Os achados remontam à 18.ª dinastia, durante o reinado do avô do rei Tut.

Arqueólogos vão continuar as escavações

Uma equipa sueco-egípcia descobriu uma antiga oficina abandonada em Gebel el Silsila, no Egito. Mas o mais curioso foi o que encontraram lá dentro: uma esfinge com cabeça de carneiro, fragmentos hieroglíficos e textos antigos com três mil anos de idade.

Segundo o “Daily Mail“, os investigadores explicam que os achados remontam à 18.ª dinastia, mais precisamente ao reinado do faraó Amenhotep — o avô do rei Tut. Os investigadores do projeto Gebel el Silsila revelaram a sua última descoberta numa publicação feita esta quarta-feira, 27 de fevereiro.

A equipa, liderada por arqueólogos da Universidade de Lund e do Ministério de Antiguidades do Egito, diz que apenas a cabeça da esfinge com cabeça de carneiro — conhecida como criosfinge — era visível antes das escavações na pedreira.

Depois, acabaram por descobrir o corpo inteiro de uma escultura que mede aproximadamente cinco metros de comprimento e 3,5 metros de altura. A metade superior da sua cabeça, no entanto, partiu, e parece ter ficado perdida.

Para além da grande escultura, a equipa descobriu outra esfinge menor que parece ter sido esculpida por um aprendiz. Encontraram também uma escultura de uma cobra enrolada, que tinha sido esculpida para coroar a cabeça da esfinge principal.

O trabalho destes arqueólogos permitiu ainda desenterrar fragmentos de uma escultura de falcão e um texto da época em que este local foi aberto pela primeira vez, durante o reinado do governante, há cerca de 3350 anos.

A equipa está agora a trabalhar para decifrar os textos escritos em vermelho ocre, sendo que os arqueólogos vão continuar as escavações e gravações digitais no local durante a próxima temporada.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]