Estima-se que 250 milhões de pessoas em todo o mundo sofram com algum tipo de alergia alimentar. A intolerância aos amendoins está entre as alergias mais comuns, que levam a falta de ar, inchaço nos lábios e arritmia cardíaca quando há uma exposição acidental ao alimento. Em casos extremos, pode levar à morte — na verdade, a alergia ao amendoim é a causa de morte mais frequente em comparação a qualquer outro género de alergia.

São portanto boas notícias para quem sofre de alergias alimentares. Um estudo realizado pela Universidade Monash e o The Alfred Hospital, em Melbourne, Austrália, juntamente com a empresa Aravax, desenvolveu a injeção PVX108. Durante 18 meses, as experiências com pacientes intolerantes ao amendoim tiveram resultados promissores: com apenas uma injeção por mês, foi possível acabar com os perigosos efeitos secundários comuns à alergia.

Alergias: o lado negro da primavera

“Tem dois benefícios: é mais segura e a injeção pode ser dada a cada duas ou quatro semanas, em vez de comer um bocadinho de amendoim todos os dias para o resto da vida”, explicou o professor Mark Hew, do The Alfred Hospital, ao “Herald Sun“. Ingerir um bocadinho deste fruto seco diariamente é apontado por alguns estudos como uma estratégia para combater a alergia. Infelizmente, esta prática acaba frequentemente com um choque anafilático, onde há risco de morte.

As descobertas do estudo vão ser apresentadas na próxima segunda-feira, 4 de março, numa conferência em São Francisco. “Este é um avanço significativo na procura de uma terapia segura para a alergia ao amendoim”, disse Robyn O’Hehir, da Universidade Monash.