Em setembro do ano passado, Stephan Pastis recebeu uma chamada da mulher: Edee, a sua cadela diagnosticada com cancro, estava em sofrimento e os veterinários recomendaram que fosse abatida. A quase 1.300 quilómetros de casa — o cartonista estava em Phoenix, a visitar o pai com Alzheimer, mas vivia no norte da Califórnia —, Pastis entrou num café e escreveu as seguintes palavras: “Mandámos abater o nosso cão na quarta-feira”.

Stephan não conseguiu despedir-se de Edee, um cão da raça English Springer Spaniel que tinha sido o seu único animal de estimação. Como forma de fazer o luto, o norte-americano decidiu prestar-lhe homenagem através daquilo que sabia fazer melhor: desenhar. 

Autor da tira de banda desenhada “Pearls Before Swine“, extremamente popular nos Estados Unidos e que coloca emoções humanas em animais como um porco inocente e um rato egoísta, Stephan abriu o coração. Escreveu  que Edee tinha cancro, que era tão doce que “até as crianças que tinham medo de cães a acarinhavam”. Acrescentou que a cadela o “protegia” de esquilos e patos, enquanto trabalhava no seu estúdio em Santa Rosa, e que ficou “mágoa” nos corações da família, incluindo o da sua mulher, do filho de 21 anos e da filha de 17.

Apesar de ser normal os cartonistas pegarem em eventos da sua vida para se inspirarem, a maioria não partilha diretamente experiências através do seu trabalho. Mas naquele dia Stephan decidiu fazê-lo. “Eu recorro sempre à minha criatividade para lidar com a vida”, disse ao “The Washington Post“.

A pureza da tira que presta homenagem à sua cadela foi publicada em dezembro e chamou a atenção de muitos dos seus fãs.

Cão também recebeu diploma de honra na cerimónia de formatura da dona

Centenas de leitores contactaram Pastis, dando-lhe apoio. A tira de Edee foi a mais comentada no site GoComics.com de 2018, com quase 500 comentários e 1.200 likes. Um dos fãs do trabalho do cartonista comentou: “A sua história em quadrinhos é muito difícil de ler. Eu posso dizer porque meus olhos estão a começar a suar.” Alguns leitores ofereceram agradecimentos e condolências, e falaram sobre a vida após a morte de um animal de estimação. Noutro comentário podia ler-se: “Às vezes os melhores quadrinhos são os tristes.”

Edee fez parte da família durante cerca de seis anos

O cartonista tocou muitos leitores em 2003, quando criou uma história de quadrinhos de partir o coração, depois de assistir a uma reportagem sobre um ataque a um autocarro em Jerusalém, que matou seis crianças. Stephan Pastis ficou especialmente conhecido em 2012 quando, numa tira comovente intitulada “Pérolas”, elogiou o seu sogro.