Avi Loeb. O nome do astrónomo de Harvard não é novo — desde novembro do ano passado, o cientista tornou-se entusiasta da existência de extraterrestres e passou a ser o foco principal da comunicação social. O Oumuamua, objeto rochoso em forma de charuto, com cerca de 400 metros de comprimento, nunca antes visto, fez com que o conceituado astrónomo insistisse que este “objeto interestelar” tinha tecnologia de outro sistema solar. Ou seja, que os extraterrestres estiveram mesmo à nossa porta, mais concretamente nos céus do Havai, nos EUA, a 19 de outubro de 2017.

Oumuamua

No dia em que a teoria do cientista se tornou viral, quatro equipas de televisão correram para o escritório de Loeb. Agora, a teoria, entretanto refutada pela comunidade científica, e o seu autor podem dar um filme — neste momento há cinco produtoras interessadas em contar a sua história. 

A teoria foi escrita com o colega Shmuel Bialy no Astrophysical Journal. “Tendo em consideração a origem ‘artificial’, há a possibilidade de o Oumuamua ser uma vela solar a flutuar no espaço interestelar, como um destroço de um equipamento tecnológico avançado”, lê-se no trabalho de investigação. Isto foi o suficiente para despertar a atenção dos fanáticos por extraterrestres e preocupar outros astrónomos.

Embora Avi Loeb não afirme que se tratam mesmo de aliens, confessa que não consegue pensar noutra coisa que se encaixe nos dados que possui, explicando-o em todas as entrevistas que dá. “Muitas pessoas esperavam que, caso houvesse muita exposição, eu recuaria”, diz Loeb, citado pelo “The Washington Post“. “Se alguém me mostrar evidências em contrário, recuarei imediatamente.”

Saturno vai perder os seus anéis muito mais rápido do que se imaginava, diz a NASA

Uma coisa é certa, o cientista não é um paranoico ou vigarista. Avi Loeb tem 30 anos de ensino na chamada Ivy League (grupo de universidades privadas de excelência), é presidente do Departamento de Astronomia da Universidade de Harvard e publicou centenas de artigos sobre astronomia, principalmente sobre a essência dos buracos negros e as primeiras galáxias. O astrónomo está neste momento a desenhar uma nave espacial interestelar, a pedido do milionário russo Uri Milner.

Avi Loeb não é o primeiro cientista a defender publicamente a existência de aliens. Ao longo das últimas décadas foram várias as teorias que surgiram, e inúmeros os cientistas que se dedicaram a estudar e descobrir se existe, ou não, vida extraterrestre. De Albert Einstein a Stephen Hawking, mostramos-lhe 7 cientistas que acreditam (ou acreditaram) em extraterrestres.

1. Silvano P. Colombano, NASA (73 anos)

O cientista de computadores da agência espacial norte-americana acredita que os aliens já visitaram a Terra. No entanto, a humanidade nem sequer se apercebeu. Silvano Colombano defende que os extraterrestres são bem diferentes dos organismos dependentes de carbono que vivem na Terra, como nós, seres humanos. Segundo o cientista, os extraterrestres possuem uma capacidade de inteligência sem precedentes e podem realizar viagens interestelares sem grandes dificuldades.

As suas teorias estão escritas num artigo inicialmente apresentado num workshop de descodificação da inteligência alienígena, em março de 2018.

2. Ellen Stofan, NASA (57 anos)

A cientista trabalha com a NASA e tem uma posição muito otimista em relação à vida fora da Terra. Stofan acredita que até 2025, as agências espaciais serão capazes de encontrar sinais de vida noutros planetas e, a partir daí, não demorará muitas décadas até conseguir-se provar a sua existência definitiva. Com novas tecnologias e compreensão do funcionamento do universo, Ellen Stofan defende que saberemos onde procurar e encontrar vida alienígena. É apenas uma questão de tempo.

3. Neil deGrasse Tyson, cientista contemporâneo (60 anos)

Este é um dos cientistas contemporâneos mais populares, que apresentou o remake da série “Cosmos“, lançada em 2014. O cientista acredita que, nos próximos 50 anos, a tecnologia da Terra será capaz de descobrir vida alienígena no espaço. Com esta conquista, será possível fazer muitos avanços nos estudos de todos os campos da ciência, principalmente na Biologia. Tyson acredita que se uma civilização extraterrestre inteligente nos encontrasse, não teria qualquer interesse em interagir connosco.

7. Stephen Hawking, físico (1942-2018)

Antes da sua morte, no ano passado, o cientista estava a trabalhar na descoberta de aliens. Para Stephen Hawking, a existência de vida alienígena pode não ser muito positiva. Ao contrário de Tyson, o físico acreditava que os extraterrestres poderiam ser hostis, e que o seu relacionamento com os humanos corria o risco de ser semelhante ao que temos com as formigas — de desprezo e extermínio, portanto. O cientista defendeu ainda que, da mesma forma que nós temos tendência a matar outras espécies e civilizações menos desenvolvidas, os aliens fariam a mesma coisa com o Homem.

9. Albert Einstein, físico (1879-1955)

Já em 1920, em entrevista ao “Daily Mail”, citado pelo “The Washington Post”, Albert Einstein foi questionado sobre a vida fora da Terra. O cientista respondeu que a Terra não era singular o suficiente para ser o único planeta capaz de gerar vida em todo o universo. No entanto, apesar de defender a possibilidade da existência de aliens, o cientista acreditava que a forma utilizada para procurá-los, estava errada. Einstein defendia que, em vez de utilizar ondas de rádio, como fazemos, deveríamos utilizar raios de luz.

6. Nikola Tesla, inventor (1856-1943)

Um dos maiores nomes da ciência, Nikola Tesla também acreditava na vida extraterrestre. Ainda em 1901, prometeu que conseguiria estabelecer comunicação com seres inteligentes de Marte. Claramente não foi capaz de realizar a sua promessa, mas não faltaram esforços para isso. O cientista defendia ainda que as ondas de rádio poderiam ajudar na realização da comunicação com os extraterrestres.

4. Carl Sagan, astrónomo (1934-1996)

Carl Sagan, astrónomo norte-americano, acreditava na elevada probabilidade de existirem outras formas de vida no universo. O cientista defendia a existência de  biliões de lugares no espaço, e que moléculas capazes de gerar a vida estavam em todos eles. No entanto, mesmo que isso representasse uma grande possibilidade de vida extraterrestre, não havia como acreditar nisso sem provas.

5. Richard Feynman, físico (1918-1988)

Richard Feynman foi um físico que ganhou o Prémio Nobel por ajudar a desenvolver a bomba atómica utilizada na Segunda Guerra Mundial. O cientista nunca descartou a possibilidade de haver vida extraterrestre, pois não acreditava que existissem provas suficientes para refutar a teoria. Apesar disso, durante um discurso na Universidade de Cornell, em 1965, falou sobre objetos voadores não identificados (OVNIs).