Substituir, arranjar e até alugar. Os 3 serviços sustentáveis e gratuitos da IKEA

A gigante sueca está a investir num modelo de negócio circular, que prolongue o tempo de vida dos móveis, reduzindo a pegada ecológica.

Falta-lhe uma peça de um móvel? Não o deite fora — há um serviço com peças de substituição

Na Suíça, a IKEA já está a testar uma nova solução que pretende dar mais tempo de vida aos diferentes móveis e itens. É o aluguer de mobília a empresas, sendo que há ainda a possibilidade de o negócio alargar-se à esfera doméstica, nomeadamente às cozinhas.

Apesar de não ter chegado a Portugal, há outras soluções disponibilizadas pela marca sueca que promovem este negócio circular, em que se reaproveita e maximiza o tempo de vida dos móveis — desde a reutilização, às peças de substituição ou devolução, para uma nova vida. Conheça os três serviços, todos gratuitos.

Reutilização

Para os móveis que ficaram danificados no transporte, que foram devolvidos porque afinal o cliente não os quis ou que foram utilizados pela marca na criação de ambientes de inspiração, os produtos são recuperados, no sentido de serem vendidos, a preços mais baixos, nas secções de oportunidades existentes em todas as lojas da marca.

Projeto “Segunda Vida”

Há o projeto “Segunda Vida”, em que, nas situações em que os clientes já não queiram ou precisem de mobiliário, a marca troca-o por um cartão presente (desde que preencha os requisitos todos) e coloca-o à venda também na secção oportunidades. Aqui entram sofás, poltronas, estantes, mesas, cadeiras de sala, secretária, cómodas, mesas de cabeceira ou armários. Acessórios de decoração, roupeiros, berços, cadeiras de escritório ou prateleiras, por exemplo, não são aceites.

Peças de substituição

Por último, a IKEA já utilizou mais de um milhão de peças de substituição — é um dos serviços disponíveis, que permite prolongar a vida de vários artigos vendidos nas lojas, ajudando a recuperá-los, já que de outra forma ficariam estragados.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]