As minhas apps preferidas para reduzir o stresse

Temos dias melhores e outros piores. Mas o meu truque está em tentar alcançar um equilíbrio para que não me nasçam já cabelos brancos.

Existem muitas aplicações para nos ajudar a reduzir o stresse do dia a dia

Já tiveram um daqueles dias em que tudo o que vos apetece é que o mundo vos deixe em paz para conseguirem respirar? Todos sofremos do mesmo mal. Infelizmente nem tudo se traduz num mar de rosas e há momentos em que é essencial saber parar e respirar.

Uns dias é o trabalho que corre mal, outros é uma discussão com um amigo que podia ter sido evitada, outros é aquele comboio que se atrasou e que vos vai fazer má figura. A verdade é que é fácil sermos consumidos pelo stresse e nem sempre sabemos como é que podemos escapar desses momentos de tensão.

Mas recentemente descobri alguns truques. E as novas tecnologias é que me deram esta solução. Parece um pouco antagónico, não é? Os nossos telemóveis não ajudam em nada. As redes sociais, as mensagens, as chamadas. Contudo, há que saber dar a mão à palmatória e procurar sempre os prós da questão.

Seja em sistemas da Apple ou Android, há várias aplicações que nos podem ajudar a reduzir a ansiedade. Não é por acaso que há cada vez mais procura por este tipo de aplicações. E se não acreditam em mim, não há nada como testarem por vocês mesmo. Há umas que nos dão apenas uma frase de motivação e outras que nos fazem parar dez minutos por dia.

Decidi reunir as cinco que me parecem ser as mais eficazes, cada uma delas com as suas especificidades.

  • Já ouviram falar da Headspace? “Aprenda a stressar menos, a focar-se mais e a ser mais feliz apenas em poucos minutos”, tem a aplicação como mensagem principal. Podem usufruir da versão gratuita ou então pagar por uma mais avançada. Dentro desta aplicação, podem encontrar planos de meditação, meditações para casos de urgência, mas também sons que ajudam qualquer pessoa a adormecer.
  • Na The Mindfulness App o objetivo é o mesmo. Quem só tem três minutos disponíveis para parar, pode recorrer a uma meditação bem curta. Para aqueles que pretendem verdadeiramente acalmar, podem optar por um plano de 30 minutos. Além disso, contem com lembretes no telemóvel para vos recordar que está na altura de pensarem em vocês e desligarem um pouco da realidade à vossa volta.
  • Caso não consigam desligar do exterior e precisem que a aplicação se insira nas vossas rotinas, talvez devam optar pela Buddhify. “A ideia central na nossa aplicação é que a pessoa não precisa de arranjar tempo para a meditação. Ao invés, a meditação vai até cada um”, explicam os criadores. Já diz o ditado, se a montanha não vai a Maomé, vai Maomé à montanha. Aqui vão deparar-se com planos de meditação para quando está a andar, a fazer uma pausa no trabalho ou, logo pela manhã, para quando está a acordar.
  • O Calm é muito idêntico na apresentação ao Mindfulness e também está disponível nos dois sistemas operativos. Confesso-vos que, antes de ir pesquisar dentro da aplicação, fui ao site e aquilo que me apareceu logo foi um ecrã azul com um circulo no meio a piscar: “Inspire e Expire”. E comecei a pensar: “Mas isto não desaparece?” Pouco depois desmanchei-me a rir e pensei que definitivamente estava na altura de pôr em prática as dicas que tinham para me dar. Esta também é uma boa aplicação para porem os sonos em ordem.
  • Por último, mas igualmente boa, a Stop, Breathe & Think. De salientar que esta é uma aplicação mais virada para adolescentes ou, como eles afirmam, “the wellness platform for the 25 generation” – a geração abaixo dos 25 anos. No fundo, pretendem ajudar os mais jovens a ganhar estofo e força emocional para saber lidar com os problemas que a vida adulta trará. Uma das características engraçadas é que tem uma função check-in, onde o utilizador responde a algumas questões sobre o estado em que está.

Se um dos vossos desejos nas passas de 2019 foi aprender a ter mais calma, o que me dizem de aceitar o desafio? Pelo menos, não custa tentar.

Texto de Maggie, fotografia de Samuel Costa.
Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]