Dia dos Namorados. 7 filmes para os casais pouco lamechas verem juntos em casa

Porque este dia não tem de ser repleto de clichés, sugerimos histórias descontraídas e outras mais intensas. Mas todas elas emocionantes.

"A Vida de Amèlie" conta uma história de amor e de libertação e é apenas uma das sugestões

IMDb

Salas de cinema cheias, restaurantes apinhados de casais lamechas e o catálogo da Netflix que insiste sugerir filmes que puxem ao sentimento e à lágrima no canto do olho. É assim que a maioria dos casais passa o Dia dos Namorados: agarrados ao cliché e ao filme romântico e fofinho.

Mas porque este dia não tem que ser só amor e uma cabana, a MAGG foi à procura dos melhores filmes para se refastelar no sofá. E são para todo o tipo de casais mas, em especial, para aqueles que querem evitar a dose habitual de choradeira com os clássicos “O Amor Acontece” ou “O Diário da Nossa Paixão”.

Desde “Blue Valentine — Só Tu e Eu”, onde se conta uma história de superação emocional numa fase conturbada de uma relação, a “Scott Pilgrim Contra O Mundo” — mais descontraído e perfeito para o casal nerd que está sempre à caça de referências à cultura popular, há de tudo um pouco. Mostramos-lhe as nossas 7 sugestões.

“O Fabuloso Destino de Amélie”

É quando Amélie (Audrey Tautou) se muda para uma nova casa que encontra uma caixa escondida na casa de banho. Em poucos minutos, descobre que a caixa misteriosa pertence ao antigo morador. De bom coração e destemida, Amélie aceita o desafio de o tentar encontrar — e consegue.

Quando lhe devolve a caixa, a personagem começa a chorar de felicidade e Amélie depressa entende que seria capaz de tornar a vida das outras pessoas muito mais fácil através de pequenos gestos.

Assim o faz, mas há um vazio difícil de preencher na vida de Amélia: a falta de um grande amor na sua vida, que serve de mote a toda a história de “O Fantástico Mundo de Amélie”.

“Scott Pilgrim Contra O Mundo”

Este é para o casal nerd que precisa de um filme que tenha tanto de ação como de momentos românticos, mas sem nunca roçar a lamechice. “Scott Pilgrim Contra O Mundo” é baseado no livro de banda desenhada com o mesmo nome e conta a história de Scott (Michael Cera), um jovem que procura conquistar, a todo o custo, o amor de uma rapariga que conhece há vários anos.

Para isso, aceita o desafio de tentar derrotar os sete ex-namorados de Ramona (Mary Elizabeth Winstead) numa espécie de batalha semelhante às dos videojogos.

O filme é descontraído, tem vários momentos de humor e apresenta a dose certa de uma história de amor que não aborrece nem parece demasiado fabricada.

“Guia Para Um Final Feliz”

Desde diálogos engraçados a romances inesperados, há de tudo um pouco em “Guia Para Um Final Feliz” para que não se aborreça em frente à televisão no Dia dos Namorados. O filme acompanha Pat (Bradley Cooper), que recebe alta da ala de psiquiatria do hospital onde estava internado depois de um episódio de transtorno de personalidade.

É neste momento que conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), que o ajuda a conquistar de novo a sua mulher depois de esta o ter deixado devido à relação abusiva que mantinham. O twist? A sua ajuda tem um preço e implica que Pat entre num concurso de dança com ela.

O filme conta uma história de amor pouco tradicional e vale a pena ver só pelos momentos hilariantes que acontecem durante o concurso de dança. “Um Guia Para Um Final Feliz” foi também o filme que valeu o Óscar de Melhor Atriz a Lawrence em 2012.

“(500) Dias Com Summer”

“(500) Dias Com Summer” não é a típica história de amor em que um rapaz se apaixona por uma rapariga. É, na verdade, uma história de desamor em que o protagonista, interpretado por Joseph Gordon-Levitt (“A Origem”) se vê rejeitado pela mulher (Zooey Deschanel) que ama depois de várias tentativas de romance.

O filme mostra também como ambas as partes seguem com a sua vida após uma relação falhada, tendo sempre a noção de que noutra altura e noutro contexto, talvez fossem perfeitos um para o outro. A banda sonora está repleta de bandas de post-punk como Joy Division ou The Cure.

“Blue Valentine — Só Tu e Eu”

Porque uma relação também é composta por momentos difíceis, “Blue Valentine — Só Tu e Eu” mostra como um casal reage aos vários obstáculos que vão enfrentando após vários anos de casamento.

Nos papéis principais estão Ryan Gosling (“Drive”) e Michelle Williams (“Manchester by the Sea”) que vão mostrando como é possível reatar após vários conflitos difíceis de gerir. A história ganha ainda mais peso quando o casal se vai apercebendo que as várias discussões que protagonizam começam a influenciar os seus filhos.

“O Segredo de Brokeback Mountain”

Venceu três Óscares, foi polémico e ainda hoje é considerado um dos filmes mais importantes de Heath Ledger (“The Dark Knight”) e Jake Gyllenhaal (“Nightcrawler”).

“O Segredo de Brokeback Mountain”, estreado em 2005, mostra não só a história de dois cowboys ao longo dos anos, mas também a forma como vão desenvolvendo a sua relação amorosa secreta e polémica. Pelo meio, terão de lidar com sentimentos de repulsa e medo à medida que vão aceitando quem são e que tipo de vida querem para si.

“A Vida de Adèle”

Mais do que uma história de amor, “A Vida de Adèle” é sobre temas como identidade sexual e libertação. O filme mostra como Adèle (Adèle Exarchopoulos) se vai redescobrindo quando vê uma mulher na rua com o cabelo pintado de azul. A atração é imediata mas, no mesmo dia, a personagem principal começa uma relação com um jovem da sua escola.

Insatisfeita, termina a relação e envolve-se com a mulher de cabelo azul que a fascinou com um simples olhar. Juntas, entram numa espiral de sexo, romance e vários momentos de tensão à medida que Adèle vai assumindo a sua bissexualidade.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]