Não é que alguma vez o pão em Portugal tivesse saído de moda, mas agora a tendência é comê-lo como deve ser. Não há cá espaço para aditivos, espessantes e palavras que ninguém sabe decifrar.

O truque está na magia de juntar quatro ingredientes: água, farinha sal e fermento, e se este for feito de forma natural, tanto melhor. A chamada massa-mãe, que mais não é do que água e farinha deixada a fermentar, é a forma ancestral de fazer o pão crescer e que se foi perdendo devido ao imediatismo com que se quer fornadas a sair.

Mas finalmente percebeu-se que a espera faz sentido quando é para comer pão que, além de saboroso, não é feito com farinhas de encher barriga e não fica duro duas horas depois de sair do forno.

Isco. A nova padaria de Alvalade que faz “pão à séria”

Em Lisboa e no Porto, já são muitos os exemplos de padarias a apostar neste fabrico artesanal. Lembremo-nos, por exemplo, da Gleba, da Padaria da Esquina ou do Isco.

Fazemos agora o apanhado das mais recentes novidades, algumas tão recentes que o pão ainda está quente.

Pão com Calma, Lisboa

Abriu na Estefânia, num recanto tão escondido que pode passar despercebido. Mas não devia. É que é aqui que Laura Balser prepara os seus pães feitos, não só com fermentação lenta, mas com farinhas moídas em mó de pedra.

É alemã, musicóloga de formação, mas vive em Portugal desde 2007 e é por cá que se dedica à paixão que tem pelo pão. “A paixão e a saudade de comer um bom pão, como o que temos na Alemanha”, conta à MAGG. Não é que em Portugal não se faça pão de qualidade, mas acredita que a preguiça e a pressa fez com que nos rendêssemos ao pão de supermercado, “que mais não faz do que encher barriga”.

No Pão com Calma, que abriu no início do ano, produzem-se pães diferentes todos os dias e, no dia da visita da MAGG, no balcão estavam disponíveis três: o de centeio, o de linhaça e girassol e um, mais completo, de trigo, centeio, sementes de cânhamos e sementes de girassol.

Todos os pães são vendidos inteiros (4€) ou às metades (2€) e, como bónus, pode ir a tempo de apanhar os pretzels, uma das especialidades de Laura.

Morada: Rua da Ilha Terceira, 44A, Lisboa
Horário: 16h-19h, sábado 11h-14h (fecha domingo e segunda)

Para pão de qualidade, fuja dos supermercados

Terrapão, Lisboa

É um das mais recentes aberturas no Mercado de Arroios. A padaria Terrapão abriu para testes na altura do Natal, mas desde o inicio deste ano que se dedica à séria à produção de pão para venda ao público, mas também à preparação de snacks e pequenos pratos para quem prefere parar e comer na loja.

João Celestino é o padeiro de serviço neste espaço que pertence a Marta Figueiredo, cozinheira e dona do Estrela da Bica e da sócia Rita Borges. Juntos, escolheram dois pães para terem sempre à disposição: o da casa, feito com trigo branco, centeio e espelta (3,20€); e o de trigo branco e barbela do Oeste (3€). Ao longo da semana, vão criando edições especiais, como o cacete francês (1,50€), o pão chapata (2€) ou a broa de milho (3,50€).

Para quem prefere comer na padaria, há opções tão simples como pão barrado com manteiga (1,50€) ou, para algo mais elaborado, sandes de cachaço fumado (6,50€) ou açorda com coentros, alho e ovo (3€).

Morada: Mercado de Arroios, Rua Ângela Pinto, Loja 8, Lisboa
Horário: 9h-19h, sábado 09-18h, domingo 10h-16h (fecha segunda e terça-feira)

Padaria da Esquina, Lisboa

A abertura em Campo de Ourique foi uma das mais aguardadas de 2018 e escrevemos na altura que era por lá que se comia a melhor torrada de Lisboa.

No final de 2018, a ideia vencedora espalhou-se até Alvalade, com a abertura de uma Padaria da Esquina no Mercado de Alvalade, desta vez sem lugares sentados, mas com a produção diária de vários tipos de pão, todos feitos a base de fermentação natural (os preços variam entre os 0,30€ e os 6€).

Morada: Mercado de Alvalade, Avenida Rio de Janeiro, Lisboa
Horário: 7h-15h (fecha domingo e segunda-feira)

Bão. O novo pão sem glúten que tem mesmo de provar

Masseira, Porto

Benetida Saavedra já fazia pão em casa desde 2010, mas finalmente, em outubro, decidiu espalhar a sua arte à cidade e abriu a Masseira, uma padaria dedicada à produção artesanal.

O pão do dia começa a ser feito na véspera, altura em que a farinha e a água se juntam, para que o pão fermente tempo suficiente. A partir daí, juntam-se mais farinhas, algumas sementes e, diariamente, é possível encontrar nesta padaria, especialidades como o pão de batata doce, o de centeio, de arroz integral, centeio com figos ou azeitona. Os preços variam entre os 2,50€ e os 3,50€.

Morada: Rua Diogo Brandão, 69, Porto
Horário: 15h-20h, sábado 10h-19h (fecha ao domingo)