A minha primeira viagem do ano: Lucerna

A neve fez-me recuar à minha feliz infância, enamorei-me pelo centro da cidade e as montanhas fizeram-me sentir num lugar mágico.

A cidade é muito pitoresca

Maggie

Tem a fama de ser uma das cidades mais bonitas da Suíça e eu fiquei a perceber porquê. Graças a um presente de aniversário incrível, estive seis dias em Lucerna, uma cidade suíça que fica a uma hora de distância de Zurique, onde a língua alemã se ouve por todo o lado. Não sei bem por onde começar para vos descrever estes últimos dias.

Se por um lado a pequena cidade é banhada por um tom turquesa devido ao elegante Lago Lucerna que a rodeia, por outro, as montanhas que se vêm de qualquer canto da cidade tornam estas ruas suíças mágicas e místicas. Esta é uma das principais características desta comuna da Suíça. A proximidade com a natureza é constante.

Fiquei no Hotel Astoria, a cinco minutos a pé da estação central de Lucerna. Apesar de não saber aquilo que os restantes hotéis oferecem, posso dizer-vos que os quartos do Astoria eram acolhedores e o pequeno almoço nunca desiludiu. Tudo para que tivéssemos energia para os dias que nos esperavam. E além disso, tinha uma vista muito agradável, não acham?

Astoria Luzern

Este é um daqueles destinos que funciona muito bem como uma escapadinha romântica. Dois dias preenchidos são o suficiente para conhecer bem a cidade, mas, no meu caso, aquilo que eu precisava mesmo era de abrandar o ritmo. Descansar, descansar e descansar. E, claro, ganhar energias para este novo ano.

Todos os minutos foram diferentes, até porque o tempo nunca foi o mesmo. O frio foi a única variável que nunca mudou. Um dos dias apanhei chuva, outro apanhei sol e depois caiu do céu aquilo que eu tanto ansiava: NEVE! Admitam: quem é que (não vivendo em países onde ela é uma constante) não fica feliz por ver  a neve a cair? Aliás, pelas fotografias, acho que conseguem perceber que o meu estado de alegria era tal e qual o de uma criança quando recebe o seu chocolate favorito.

Mas como vocês já sabem, esta vossa Maggie é incapaz de ir para um sítio sem levar alguma coisa planeada. E, após ter visitado todos os cantos possíveis e imaginários, deixo-vos aqui os principais destaques desta minha primeira viagem de 2019.

  • É no centro histórico que vão encontrar os principais pontos turísticos que a cidade tem para oferecer. A Ponte da Capela (a ponte coberta mais antiga da Europa), o Leão de Lucerna (uma escultura de pedra enorme e lapidada diretamente na montanha), a Igreja Jesuíta (altamente decorada e considerado um dos edifícios mais bonitos da cidade), a Igreja Franciscana, a Muralha Medieval de Lucerna (que há muitos anos protegia a cidade e é composta por nove torres) e a Spreuerbrücke, outra ponte com pinturas do sec.XVII, são os sítios que não podem mesmo não incluir na vossa visita.
  • KKL Luzern, o Centro de Convenções e Cultura. É palco de uma série de concertos e a arquitetura deste edifício deixa-nos maravilhados quando olhamos para cima e vemos a água espelhada no teto.

KKL Luzern/Facebook

  • Aconselho vivamente a tirarem um dia para ir ao Museu do Transporte. Foi um dos dias mais divertidos que tive. É um museu interativo e, portanto, experiências onde participar não vos vão faltar. Podem, por exemplo, saber como é estar dentro de um carro e ter um acidente, qual a força do embate; mas aquilo que mais gostei de fazer foi sentir como é estar no espaço. Entra-se dentro de uma cápsula e são testados vários cenários, nomeadamente o vosso sentido de orientação. Ou, no meu caso, o meu sentido de desorientação!

  • Fazer um passeio de barco pelo Lago Lucerna e depois aproveitar e subir às montanhas. Disseram-me que era bem lá em cima que se encontrava um dos hotéis mais bonitos da Europa, o Hotel Villa Honegg, com uma vista de tirar o fôlego. Mas sabem aquela expressão, um grande barrete? Pois, foi exatamente isso que eu senti. Estava muito nevoeiro e é claro que os meus planos ficaram arruinados, como podem ver pelas fotografias: a da esquerda era o que estava à espera de encontrar e a da direita é aquilo que realmente encontrei… Até tem a sua graça, vá.

Mas, mesmo assim, valeu o esforço. No caminho para lá, rodeada de neve, senti-me 100% em paz. O silêncio, o branco angelical… Têm mesmo de lá ir para perceberem o que vos estou a tentar dizer. O hotel, fora a vista que não conseguimos ver e que deve ser a melhor parte, é realmente lindíssimo e pareceu-me ter muito boas condições. Só um exemplo: entrámos num restaurante, onde cada prato enchia mais o olho do que o outro, estava um pianista a tocar ao vivo música clássica, e ainda havia ao dispor de todos um charriot com casacos de pêlo para qualquer pessoa que quisesse ficar pelo terraço exterior.

  • Apesar de não ter feito uma visita ao Monte Pilatus, devido ao nevoeiro, vi fotografias muito bonitas e disseram-me que era obrigatório lá ir. Espero voltar a ter oportunidade de regressar a Lucerna e ficar a conhecer este sítio.

Adventure Scientists/Instagram

  • Sobre a comida: fala-se alemão, mas a gastronomia foi buscar as suas referências a terras italianas. Portanto podem contar com muitas massas, pizzas e algumas saladas. Mas para os fãs de queijo, é obrigatório a raclette. Sei por fontes seguras que aquele queijo derretido faz muita gente ir ao céu e voltar. Já eu, não sou assim muito apreciadora.

Bom, se estiverem apenas de passagem por Lucerna e só tiverem um dia para conhecer o essencial, aconselho um brunch no Café Gugelhupf, um passeio pela Ponte da Capela, uma visita a ambas as igrejas que referi anteriormente, o Leão de Lucerna, uns minutos a admirar o Lago Lucerna e apanharem aí um barco para fazerem um agradável passeio. Se já tiverem a possibilidade de dormir duas noites na cidade, façam tudo aquilo que vos disse anteriormente, mas aproveitem para fazer também um passeio nas montanhas ou divertirem-se no fantástico Museu dos Transportes.

Garanto-vos: este é mesmo um destino a não perder. Gostei muito da Suíça (mais do que estava à espera) e mal posso esperar para conhecer outros lugares especiais que este país tem.

Partilhe
Fale connosco
Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado. [email protected]